Jeitão atlético para o high­-society e mood setentinha definem as versões em denim

Saia versus look esportivo: este sempre foi um dilema do universo da moda; suavizado

quando o item em questão fundamentava-­se no visual denim lavado.

Hoje, tal proposta evoluiu: existe uma movimentação coletiva dos gostos e preferências

do consumidor de jeans, na busca pela durabilidade do aspecto índigo, em peças cada

vez mais femininas, distantes do visual essencial. Mas não acaba por aí: além de todos

os fatores mencionados; presenciamos o retorno da ideia de luxo associada ao

segmento azul. Então, como permitir que a moda esportiva, comunique luxo, remeta ao

aspecto do jeans; ao mesmo tempo em que se distancia da sua estética original?



No Inverno 2017, a resposta pode apresentar versão mullet

geométrica, longa com fendas profundas, recortada em patches, embelezada por

babados em corte jabô ou abotoada em formato “A”. Estamos falando das saias ­ uma

peça chave que na temporada de frio é apresentada até mesmo nas versões mais high

society; preferencialmente de tênis. Para quem busca inspiração para desenvolver a

peça; é bom ter em mente que existem três influências: a própria moda atlética, já citada;

o visual festa, o qual carrega uma pegada oitentista; o jeitão camponês, com perfume

setentista; e o fashionista, que se aproveita da tendência das barras recortadas.



Na moda esportiva; saias com modelagens quebradas por recortes

misturando lavagens contrastantes, cadarços com listras nas laterais, e acabamentos

ácidos com aplicações de patches multicoloridos são exemplos ilustrativos. Já a ideia de

luxo, resgata do túnel do tempo construções que faziam sucesso nos anos 80, como

aquela saia ajustada enfeitada por babados em espiral. Também as fendas exageradas,

nos itens longos, pronunciando com maior ênfase a aparição das pernas. Do tema

hipongo camponês, por sua vez, temos as versões em formato evasé com abotoamento

frontal e bolsos embutidos. O conhecido formato “A” ; aparece enfeitado por bordados

espelhados ou trabalhadas por amarrações trançadas, e explora bastante os

comprimentos midi. Já o fashionismo traz o jeitão de peça customizada, com barras

recortadas em comprimentos distintos: aqui o experimentalismo predomina e é bem

vindo, valendo cortes horizontais, quadrados ou oblíquos. Aos nossos leitores

apresentamos uma curadoria de imagens marcada pelo hibridismo de estilos e

comprimentos; pois a palavra de ordem é a criatividade nas construções.



VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR