Moda, capacitação e meio ambiente em pauta

O tema sustentabilidade está na moda já algum tempo, mas agora vem se fortalecendo cada vez mais em diferentes áreas da economia, inclusive no mercado fashion. Através de ongs, empresas e indústrias por todo o país acontecem ações que podem melhorar a qualidade de vida de quem está inserido nesses projetos e, também entre os consumidores, que podem optar por produtos saudáveis, sustentáveis e que não agridam o meio ambiente.


Este tema foi discutido na última edição do Salão +B que aconteceu em maio no MuBE, em São Paulo. Na palestra, sob mediação de Daniela Falcão, diretora de redação da revista Vogue Brasil, aconteceram discussões e apresentações de alguns trabalhos, entre eles, os de Nadine Gonzales, coordenadora geral da Casa Geração Vidigal; Andrea Fasanello, designer e fundadora da Moda Fusion; Raquell Guimarães, proprietária da Doisélles; Nina Braga, presidente do Instituto-e;.


Segundo Daniela Falcão, em 2007 eram divulgados somente trabalhos com pets, agora há inúmeros projetos pipocando pelo Brasil, capacitando comunidades, preservando o meio ambiente e enriquecendo a moda brasileira. Raquel Guimarães da Doisélles, por exemplo, trabalha com tricô e crochê moderninho com agulhas grossas e modelagens amplas confeccionados por presidiários, todos homens capacitados pela própria Raquel, que sentia falta de mão de obra. Surgia aí o “Projeto Flor de Lotus” em Juiz de Fora (MG). Eles ganham salário e o melhor, sentem-se úteis com um trabalho de alta qualidade que também é exportado.


“Treinei 40 homens. Eles foram tomando gosto pelo tricô, até mesmo por moda de uma maneira geral. Meus meninos, que quando eu cheguei lá mal sabiam diferenciar blusa de camisa, hoje sabem até quem é John Galliano. Eles amam, vibram, se amarram em moda”, comentou Raquel.




Já o Instituto-e presidido por Nina Braga há 14 anos mantém parceria com o estilista Oskar Metsavaht, da Osklen, na identificação e utilização de matérias-primas sustentáveis na indústria têxtil. Esses tecidos denominados e-fabrics, em sua maioria são utilizados pela própria Osklen. Além disso, foi lançado o projeto “Traces” em parceria com o Ministério do Meio Ambiente Italiano com o objetivo de mapear a emissão de carbono em tecidos como couro de pirarucu, algodão orgânico, seda orgânica, tecido reciclado, juta ecológica e tecido de garrafa PET.




Pra definir quanto carbono é liberado durante a produção desses tecidos, todo o processo foi acompanhado e monitorado – desde o curadouro dos pirarucus na Ilha de Marajó até a venda das peças. A bolsa de couro de pirarucu, por exemplo, vem com uma etiqueta com as porcentagens de liberação de CO2 – e o resultado de toda a pegada de carbono.


A Casa Geração Vidigalsob coordenação de Nadine Gonzales, e que acontece no Morro do Vidigal (RJ) capacita profissionais em diferentes áreas da moda: formação profissional, criação, loja, e organização de eventos com o objetivo de valorizar a criatividade das mulheres e da nova geração de moradores de comunidades para transformar em principal fonte de renda. O grupo já lançou sua primeira coleção que já é comercializada no mercado.


Dentro do projeto Moda Fusion da designer Andrea Fasanello, desde 2006 acontece capacitação ligada à moda junto às periferias, além de cursos livres como empreendedorismo e jornalismo de moda. No final de cada curso há um desfile das coleções.




Conheça mais sobre estes projetos:

Doiselles – doiselles.com.br

InstitutoE – institutoe.org.br

Casa Geração – casageracao.tumblr.com

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: REPRODUÇÃO