Mudanças genéticas no jeans por Grazia França

Genéticamente modificado, ostentando rasgos em localizações inóspitas para o uso corriqueiro, ou ainda, criando volumes através de camadas impensáveis, ou compondo turbantes. A publicação Jenétiquement Modifié, da revista Grazia France, à primeira vista parece descartável para leitura de qualquer tendência, devido ao forte apelo conceitual das imagens. Porém o tema trabalhado, coloca em evidência uma das mais fortes macrotendências do segmento denim, ao esclarecer as atribuições atuais que competem ao material.


Entre as responsabilidades confiadas atualmente ao denim, devidamente interpretadas pelo editorial, constam por exemplo, a valiosa lógica de encontrar novos destinos e usos, para a aparência do jeans lavado. Os looks também refletem a alteração do status das peças básicas do segmento jeanswear, para um patamar mais luxuoso no guarda-roupa global, pela simples mudança dos complementos no look. E por fim, as excessivas sobreposições de diferentes lavagens, esclarecem o acúmulo de responsabilidades e estilos que vem sendo delegadas ao material: o jeans é básico, é conceito, é luxo, é pijama, é conforto, é acessório, é agasalho térmico, é malha, atitude e pura criatividade.


A publicação comunica estes importante apontamentos, nas entrelinhas de camadas nada usáveis, como retalhos cut-off, formando laços gigantes, camisas transformadas em turbantes, ou restos de jeans cut-off amarrados nos tornozelos. Ao mesmo tempo, as imagens dos looks proporcionam pertinentes informações de lavagens e efeitos no jeans. Para acrescentar o jeitão “haute couture” , temos calças jeans amarradas em uma espécie de “moulage”, sugerindo a idéia do top tomara que caia, numerosas jaquetas básicas na cintura, reproduzindo volumes de saias pomposas, e casacos de alfaiataria em denim, “emaranhados” criando o visual de flores gigantes em uma clara referência à alta moda.

VIVIAN DAVID / FOTOS: REPRODUÇÃO