Novas leituras para o denim por Faustine Steinmetz

Entre as peças mais peculiares confeccionadas em denim na temporada de inverno 2013 (2014 brasileiro), o visual mais ousadas sem dúvida é a do designer Faustine Steinmetz. Graduado em 2012 pela Central St Martins, Londres, em sua primeira coleção o estilista atraiu a atenção global para suas peças, ao antecipar a leitura de luxo do denim, trabalhando sua essência histórica na trajetória da moda.


Em sua coleção, o designer realizou releituras texturizadas e hand-made de peças em jeans que jâ não são mais confeccionadas, como o imortal jeans 501, coletes e jaquetas clássicas do universo índigo. Todas, peças familiares e ao mesmo tempo já inexistentes no guarda-roupa de qualquer um roupas que ninguém pode comprar em lugar algum, que foram imediatamente resgatadas do imaginário coletivo através das peças totalmente feitas à mão pelo designer. O mohair foi o material utilizado, que conferiu a aparência instigante e volumosa às peças.


As releituras de Faustine foram parar em um dos mais representativos editoriais dedicados ao denim da temporada, publicado na revista Dazed & Confuse. A idéia de trabalhar a superfície do denim, descartando novidades na forma e atendo-se ao tecido, mostra a sensibilidade do recém lançado designer, que antecipou de maneira assertiva o caminho do material que vem cada vez mais recebendo diferenciais de toque e volume.


Para quem pesquisa macrotendências, este é um novo nome à ser considerado na “lista de favoritos”. Nas suas interpretações de clássicos do segmento, Faustine nos traz diversas informações, como a dissimulação na aparência dos tecidos, a releitura de peças triviais com materiais antes impensados (note-se a imensa quantidade de peças antes confeccionadas em malha, ganhando leituras “índigo” na temporada), a percepção de luxo dada ao denim, e as texturas e volumes como um importante tópico à ser trabalhado no segmento jeanswear. E sobretudo, a nostalgia pelos clássicos mais corriqueiros e a importância do hand-made, como artifício para elevar o valor de peças e fisionomias, através da exclusividade.


VIVIAN DAVID / FOTOS: REPRODUÇÃO