Os acabamentos que vão elevar a competitividade do denim no Inverno 2018

Foi mais ou menos por volta dos anos 90, com o “boom” dos tingimentos coloridos; que se descobriu no “jeans sem cara de índigo”, um excelente adversário para competir com outros tecidos. Depois disso vieram as estampas, e mais recentemente a resina. E assim, o jeans qualificou-se para parecer um jacquard, uma renda, um couro, um vinil, ou mesmo um plástico. Estamos sim, em tempos que exigem criatividade: logo, o jeans com aspecto alterado pelo toque e textura tende a ganhar status de estratégia nas coleções do Inverno 2018. E por espaço, entenda-se inspiração, experimentalismo, e lugar de destaque para exposição – não necessariamente números e percentuais.



Nas lavagens mais claras, a estação vai trazer padrões decorativos formados pela linguagem puída do jeans, simulada por aplicações flocadas; ou mesmo criadas a partir de devorês com jeitão de estampa contínua. Este estilo, vai estar presente principalmente nas coleções setentistas; ou relacionadas à temas ligados ao lifestyle do campo. Os acinzentados, por sua vez, vão somar estilos mais urbanos; explorando o pontilhismo e desenhos que remetem à linguagem do braile – e estarão elevando principalmente o mix das coleções com pegada unissex.



Pontilhados e micropadrões com jeitão de tecido maquinetado vão somar características mais térmicas à camisaria, e ao jeans masculino; lembrando fragmentos do padrão vichy e risca de giz. São eles também, os motivos mais versáteis que vão ajudar a compôr o estilo do closet do homem atual. E para quem trabalha o público feminino fashionista, a inspiração maior vai vir das resinas e dos metalizados; os quais vão explorar toques falhados sobre fundo colorido, e efeitos craquelados; simultaneamente ao visual do ombré. Efeitos que sem dúvida, correspondem de forma mais precisa às vaidosas expectativas da consumidora de jeans nacional.

VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR