Os números da sorte definidos para as tendências e para os negócios pela feira

Em tempos de instabilidade econômica global; números exatos, mensurados ou estimados passam a ser perseguidos com importância ainda maior com relação às boas marés financeiras. E de tanto povoar o ambiente dos negócios, eles – os números – acabaram tornando-se a aposta principal do público cujo estilo é o grande adepto da estética da precisão: o menswear.



Números da sorte: este foi o tópico conceitual da feira de fashion business mais influente para o segmento masculino, a Pitti Imagine Uomo. A edição mais recente, que aconteceu entre os dias 14 e 17 de junho na cidade de Florença, Itália; contemplou a lógica das ciências exatas como pretexto inspiracional através do criativo tema Pitti Lucky Numbers. O número eleito pelo evento – 90 – além de celebrar a contagem das edições Pitti Uomo realizadas até então, foi também referência para comunicar a década tendência mais direcional para o segmento masculino na temporada de Verão 2017 internacional (correspondente ao Verão 2018 nacional).



Além de influenciar a estética e o tema da feira, os números da Pitti Uomo confirmaram também o sucesso da edição: foram 30.000 visitantes, incluindo mais de 20.500 compradores, dos quais 8.500 internacionais. Porém de fato, o grande revival dos anos 90, confirmaram a consistência do número eleito. Somado à pertinência do estilo da década para as coleções masculinas, para celebrar as noventa edições da Pitti, paralelo aos negócios de moda transcorreram diversas iniciativas como uma exibição dedicada à Karl Lagerfeld.



No agrupamento dedicado à moda masculina informal, as seções I Play, Urban Panorama e My Factory apontaram tendências relativas à sustentabilidade, estilo navy, streetwear e atletismo dos jogos olímpicos. Já no espaço reservado pela Pitti para o closet clássico do menswear; as áreas Pitti Uomo, Make, Pop Up Stores, Eye Pop e Fashion at Work destacaram a leveza do look em três dimensões; propondo inspirações que transitaram do ecletismo francês à boa alfaiataria, influenciada pelo sportswear e pela fusão entre herança e modernidade. Por fim no espaço dedicado à vanguarda da moda masculina, as áreas Future Maschile e Touch! sinalizaram o valor dos tratamentos experimentais atribuídos ao couro e das versões mais rebuscadas do estilo militar para quem adota a atitude fashion mais corajosa dentro do gênero.



E dentro destas tendências o jeanswear permanece o grande protagonista: sublinhando com maior intensidade o estilo punk, a importância do black denim, e do militarismo – fato confirmado por marcas influentes do nosso segmento como Meltin Pot, Prince Tees e Happiness. Arte, moda e colaborações continuam evoluindo em seu grande affair através de parcerias únicas, como a efetivada pela Compagnia del Denim, que apresentou sua coleção empregando denim Made In Japan; além de uma escultura de um tigre confeccionado no material pelo artista africano Rabi Diop. Sintetizando: o menswear arrisca suas apostas com riscos metodicamente calculados, já que prioriza a linguagem mais consistente do fashion business, ao destacar com maior importância e numeral o jeans nas suas coleções. Confira uma prévia dos lançamentos da feira em nossa galeria.


VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR