Otimismo da feira e volumes de negócios transcenderam a situação do país

Visitantes qualificados, diferenciais tecnológicos que transcenderam a situação do país; e o fechamento de muitos negócios. De acordo com expositores e visitantes, esta é a mais fiel descrição do desempenho da 15ª edição da Febratex. Organizada e promovida pelo FCEM | Febratex Group, a 15ª edição da Feira Brasileira para a Indústria Têxtil , realizada entre os dias 09 e 12 de agosto de 2016, no Parque Vila Germânica, em Blumenau (SC); superou as expectativas iniciais reunindo expositores de cerca de 60 países, e registrando a presença de 96 mil profissionais. Além dos lançamentos, as marcas proporcionaram informações sobre moda, tecnologia e tendências para o público qualificado de 96 mil profissionais provenientes do Brasil, e de países como Alemanha, Argentina, Áustria, Bolívia, Chile, Estados Unidos, e Turquia, entre outros.
 


A retomada da confiança dos empresários na recuperação da economia brasileira a partir do segundo semestre de 2016 pode ser medida pelos depoimentos de expositores: “vendemos oito máquinas na primeira hora de feira – cinco nos stand e três por telefone para clientes que não puderam vir a Blumenau”, comemora Evelin Wanke, gerente de vendas da Epson. Ainda sobre os resultados da feira, e as expectativas de retomada da economia do setor têxtil; a diretora geral da Lectra na América do Sul, Adriana Vono Papavero; destaca: “os empresários estavam  realmente interessados em diferenciais tecnológicos para o seu negócio, evidenciando a expectativa de um segundo semestre melhor”. Além da postura otimista para a indústria do vestuário nacional, de acordo com Marcelo G. Gonzales, Diretor de Vendas da Invista; “a feira também foi palco para uma reação do mercado brasileiro em busca de mais competitividade internacional”. De acordo com Marcelo; “muitos clientes estavam focados na obtenção de informações técnicas para atuação global”.



Porém não foram apenas as grandes empresas que encontraram soluções para avançar no cenário atual. Manoela Christoff, gerente da J-TECK, destacou que “os lançamentos da companhia, atenderam também as necessidades de micro, pequenas e médias empresas”. E esta característica de fato foi o diferencial de muitos expositores. No quesito lavanderia, de acordo com Júnior Sotéras, gerente de desenvolvimento de máquinas da Hi-Tech; o mercado denim nacional já se mostra: “os empresários buscavam informações sobre os diferenciais técnicos e soluções químicas ligadas a sustentabilidade e economia de recursos”.  



A programação paralela da feira destacou o “Fórum de Informações ABTT”, a “CONTEXMOD” e o “Fórum Digital/Cenários UseFashion”. O evento contou com o apoio da ABRAMACO – Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos para Confecção; ABIMAQ – Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos; ABIT – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção; ABTT – Associação Brasileira de Tecnologia Têxtil, Confecção e Moda; e da ABQCT – Associação Brasileira de Químicos e Coloristas Têxteis. Como de praxe, o evento também prestou a homenagem aos expositores com dez participações no evento, concedendo o prêmio o “Troféu João Luiz Martins Pereira” à blumenauense Mogk, prestando assim um tributo ao saudoso ex-presidente da ABTT –  Associação Brasileira de Tecnologia Têxtil, Confecção e Moda, falecido em 2014.



 “A ‘Febratex’ é a maior feira da América Latina e transcende a situação do país. A indústria brasileira é a referência na região, principalmente em inovação, e os visitantes sabem que no evento encontram lançamentos, novidades e não apenas ‘mais do mesmo’. Esta edição foi um divisor de águas para a indústria têxtil no Brasil, foi muito positiva”; declara Joana de Jesus, diretora comercial da Automatisa. De acordo com Hélvio Roberto Pompeo Madeira, diretor-presidente do FCEM | Febratex Group, a próxima edição da ‘Febratex’, já tem data: será realizada entre os dias 21 e 24 de agosto de 2018, e já está com mais de 92% de área vendidos.

VIVIAN DAVID | FOTOS: GISELLE SEIBEL