Propostas mais criativas e diversificadas

Enquanto a Bread&Butter focou um lado mais fashion business e seletivo da moda jeanswear, a Premium, por sua vez, caractericou-se por um ambiente mais aberto e receptivo à novas idéias. A diferença, foi bastante visível nas coleções apresentadas, que trouxeram uma espécie de “mostruário global” mais criativo, com lavagens, cores e toques mais diversificados. É bom lembrar, que o “time” da Bread&Butter mostrou-se mais adiantado, o que explica um espaço mais significativo, ainda que reduzido, dado às propostas remanescentes do segmento.


O retorno dos índigos representam um consenso. Entretanto comparativamente, a feira trouxe uma parcela maior de colors diferenciados e trabalhados em toques ou manchas multicoloridas. A sarja branca ou mesmo com manchas aquareladas ganhou destaque no evento, e outro grande diferencial, foi dado pela aposta convicta nas calças metalizadas com brilho acobreado, prata ou chumbo em bases escuras ou black.


Nossa galeria agrupa tanto o consenso quanto as peculiaridades da feira com relação às demais. Os principais apontamentos, encontram-se divididos nos tópicos descritivos abaixo.


LAVAGENS:



Com as tecnologias eco-friendly solucionando consciências pesadas em consonância com benefícios como agilidade e custo-benefício para o chão de fábrica, os vintages voltaram. Óbviamente, trata-se também de uma reação às interpretações extremas do denim, que levaram o excesso de texturas até as últimas consequências nas estações anteriores. Assim, o aspecto used, os efeitos de bigodes em 3D, riscos e visual vintage voltam a atuar como uma linguagem desejada. Os índigos não descartam a lógica decorativa das estampas, mas a incluem no seu visual através das nuances esbranquiçadas do blue denim. Calças com aplicação de pasta ou resina metalizada prata, chumbo ou cobre são colocadas por marcas como Reiko.


MIX:



Camisa chambray com lavagens mais descarregadas como o delavé, ou em padrões estampados. A bermuda boyfriend, colete básico com aspecto used, jaquetas ou macacões com efeito ombrè, skinny em sarja branca desta vez com fechos em detrimento dos bolsos convencionais.



COLORS:



Os tons macios foram propostas recorrentes no agrupamento de marcas da Premium. No entanto, as cartelas trouxeram tonalidades mais numerosas, e mais descarregadas, aproximando-se do colorido sujinho em algumas situações. O mostarda e o marrom se desdobram em tons envelhecidos e claros. Temos também a cartela “cobalt”, pink desbotado, laranja, roxo, verde e amarelo.O vermelho beterraba com jeitão vintage atuou como uma espécie de colorido neutro em destaque nas coleções. Já o branquinho foi proposta numerosa que reformulou algumas peças básicas, e na skinny ganhou inclusive tingimentos criativos com manchas aquareladas e multicoloridas em fundo claro.
ESTAMPAS:



A grande maioria das estampas são mais espaçadas e jogadas em índigos desbotados ou mesmo delavés. Os padrões possuem um visual mais manchado, e linguagem semelhante aos efeitos do jeans. O bleached, é a aparência principal jogada como estampa no blue denim, seguida de motivos decorativos como os florais espaçados em nuances mais claras. Algumas peças descarregam totalmente o azul, e ganham estampas localizadas no tom índigo. A versão multicolorida dos padrões botânicos, são remanescentes que ocasionalmente constam nas coleções. Já para o segmento masculino, os motivos tropicais são o hit das peças superiores como as camisas e tuxedos, e também atualizam bermudas. Por fim os camuflados, ganham variações em verde militar, cinza e tons terrosos, e são mais recorrentes nas araras.
FITS:



A skinny continua a volumetria principal das calças femininas, seguida da boyfriend mais enxuta na modelagem e com aparência decorativa de estampas ou proposta vintage mais trabalhada. Para o público masculino, o slim fit é o principal apontamento.

VIVIAN DAVID / FOTOS: EQUIPE GUIAJEANSWEAR