‘Quarentena’ de peças não auxilia prevenção durante reabertura do comércio

Na expectativa pela reabertura do comércio, em meio ao isolamento social imposto por conta da pandemia do novo coronavírus, está sendo planejada uma “quarentena” das peças de vestuário que foram manipuladas pelos consumidores. A opção, contudo, pode não ser a mais assertiva.

De acordo com o professor de saúde ambiental da Universidade de Southampton, Bill Keevil, a melhor maneira de prevenir a transmissão de apenas lavar as mãos regularmente.

“Se as pessoas lavaram as mãos corretamente é possível afirmar que não há risco de transmissão nos tecidos”, disse o professor Keevil, em entrevista à BBC. “Mas agora algumas pessoas estão sugerindo colocar as roupas experimentadas em lojas em quarentena antes de serem recolocadas nas prateleiras”, completou.

A quarentena de produtos não é apoiada pela ciência por não demonstrar eficácia. A instalação de superfícies de liga de cobre em áreas que são tocadas, como maçanetas de portas e carros, faria mais sentido, segundo o cientista. Isto porque o cobre pode matar vírus similares mais rapidamente.

Vale destacar que ainda não está claro se vírus e bactérias poderosas podem permanecer ativos em tecidos macios, mesmo que demonstrem “sobreviver” em superfícies duras por dias. Alguns membros da comunidade científica ainda apontam que estes mesmos microorganismos podem não estar ativos o suficiente para causar uma infecção após um período de tempo relativamente curto.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução