Ronaldo Silvestre apresenta desfile emocionante no DFB DigiFest

Nestes tempos difíceis e jamais previstos que estamos vivendo, a roupa sem afeto, sentido ou propósito é cada vez mais questionada pelo consumidor. Como consequência, para alguns criadores de moda, a novidade já não é mais necessariamente inédita. Mas precisa sim, ter alma e rastros de humanidade para se validar.

“Recriar o que já foi criado: essa é a própria regra!”. Este foi o pensamento proposto, em exercício de extrema liberdade, que o estilista Ronaldo Silvestre apresentou uma coleção rica em “manualidades”, trabalhando a essência e a alma dos tecidos, na mais recente edição do Dragão Fashion Online, o DFB DigiFest.

Intitulada Ressignificar, a coleção foi transmitida dentro da programação do Live Moda do dia 30 de julho. “A proposta para esta coleção atemporal 2021, é continuar abrindo algumas gavetas da minha vida, mesmo em tempos difíceis, incertos e dias tristes”, explicou Ronaldo. “Estou recriando o que um dia eu mesmo criei”, concluiu.

O desfile aconteceu em um corredor humano formado entre as máquinas de costura da sua própria oficina. Tudo para que as costureiras pudessem apreciar a beleza do seu trabalho e se orgulhar. A dignidade com que o criador apresentou suas peças ao mesmo tempo em que prestou uma linda homenagem, alcançou a façanha de emitir emoções de uma forma que a transmissão digital não foi capaz de anular.

A ideia de trabalhar os tecidos com alma, como uma segunda pele, favoreceu na coleção de Ronaldo Silvestre a originalidade das criações desenvolvidas em denim. Um dos pontos altos foi uma jaqueta desenvolvida no material, com desenhos elaborados completamente vazados. Um trabalho artesanal, que levou traços autênticos da essência da moda brasileira, com suas “manualidades” também para as saias longas da coleção.

Ronaldo também trabalhou o denim com pespontos repetidos lembrando texturas, em combos de top e saia. Nas peças mais quotidianas, apostou nos contornos de diversas camadas de babados curtinhos jogando graça em ombros e bainhas de blusas e vestidos. O jeans, por sua vez, foi sugerido com o “umbigo de fora” e caimento relaxado, combinado ao top e ao efeito decorativo do cinto trançado.

Cortes de t-shirt, amplitudes de bata e medidas de vestido, essas três características constituíram a receita de diversas peças da coleção. Também a bagagem afetiva dos tingimentos manuais chamou a atenção. Fica a lição de que a moda feita com sensibilidade é tudo que os olhos e corações dos consumidores buscam nesse momento.

O DFB DigiFest chegou ao seu ponto alto com as transmissões da Live Moda. Nesta edição, por conta da pandemia, o maior evento multicultural da América Latina foi realizado completamente online. Os desfiles foram pré-gravados e seguiram uma programação de três dias de apresentações.

Fonte: Vivian David | Fotos: Divulgação