Saias e vestidos em alta no Inverno 2017

Durante a última edição do Senac Moda Informação, a consultora Bia Aidar apresentou as principais tendências dentro do universo jeanswear para o Inverno 2017. Onipresente em várias lojas o denim continua em alta na estação tanto em grifes como Marni e Balenciaga quanto nas fast fashions, e marcas do segmento. Além disso, segundo Bia Aidar, vários materiais têm se apropriado das tonalidades de azuis e estampas que imitam o índigo. O mercado de moda vem dizendo há algumas estações que o denim é o novo preto, mas Bia afirma: ” Denim is not a new black. Denim is a new skin”. Conheça as principais apostas da temporada.


Estilo Esportivo: Jaquetas bomber, rasgos, recortes quadrados, laçadas, ilhoses maiores.


Estilo Militar: Amarrações na cintura, detalhes em dourado, efeito mullet no blazer (mais curto na frente).


Decorativismo: Aqui entram os blocos de cor em três tonalidades, bordados, patches, broches, florais e pássaros.


Detalhes: Conceito de reaproveitamento de materiais com recortes de patchwork, além de bainhas e cortes deslocados e, o efeito desfiado do jeans inacabado.


Tons: azuis intensos, médios, pretos e cinzas.


Bases PT: preto, verde militar, cinza e marinho.


Tecidos: Bases leves em 100% algodão, com fios nobres como o liocel para vestidos e tops evidenciando babados e cortes a fio. Bases médias vêm valorizadas com fios que agregam power stretch e alta elasticidade, em 98% algodão e 2% de elastano e as Bases pesadas em 100% algodão, porém super macias e com toque suave, ideais para jaquetas e calças mais largas.


Tops: Conceito novo e que promete fazer sucesso, principalmente para o público jovem é o “pinafore top”, com alças vindas da jardineira com desfiados, puídos e principamente lavagem delavê. Os tops também podem vir mais ajustados, com transpasse, decote V, recortes arredondados, no estilo t-shirt no corte quadrado e em três tonalidades na base 100% algodão. Outra novidade da estação é o “turtleneck”, top com gola mais alta (em torno de 5 cm) com corte a fio na manga.


Camisas: Com bordados localizados em tons fortes, no estilo militar na base 100%liocel, com detalhe de zíper no lugar do botão, oversized, delavê, maxi shirt, com efeitos reserva e “falsos bolsos”, com ilhoses no ombro.


Outerwear: Coletes na versão alongada (66cm), no estilo militar, com bordados, cava abertas de 20cm, estampas localizadas, mensagens a laser, efeitos artesanais, destroyers. Rider Jacket com retalhos de tecidos, no moletinho e estampa de camuflagem, jaquetas com bordados florais ou étnicos, mistura de materiais, mais curtas com ombros caídos, com gola arredondada somente amaciada. A Longline Jacket vem com muita força com referências ao trench coat. E, a Jaquetinha Bomber é a queridinha de muitas estações, nas versões menores ou alongadas, em bases leves ou com mistura de materiais. Entre os blazers, destaque para os modelos no estilo militar (com insígnias ou babados) e os customizados. Os quimonos ganham bases de jacquard, denim malha e índigos leves.
Uma novidade é a sweatshirt (suéteres) que surgem no conceito malha com detalhes de ilhoses e laçadas, num estilo mais moderno.


Vestidos: Mesmo no inverno eles ganham força dentro do segmento, em diferentes e inovadores modelos. Assim como os tops, os vestidos ganham sua versão “pinafore”, no estilo jardineira tanto no denim quanto no PT no tom preto. Já o Tee Dress (vestido camiseta) continua fazendo sucesso em novas bases e beneficiamentos como os desfiados nas barras e golas, além de detalhes de zíperes e babados. Para a moçada que adora um vestido justo, o “bodycon” simples e descomplicado no denim e no PT com mangas curtas ou longas, com decotes em V ou com alças. Os vesidos camisa ou no estilo pólo são bem comerciais e não saem de moda em tecidos suaves e bem leves. Destaque para as diferentes amarrações na cintura.


Saias: As saias, assim como os vestidos são as estrelas da estação. As minis surgem nos modelos tradicionais, evasês, na linha A e na versão wrap. Elas ganham barras desfeitas e assimétricas, com cós removido, com bordados e em blocos de cores, bolsos maiores e quadrados e bordados. A versão midi surge com transpasses no bruto. As longas vêm valorizados nos artigos 100% algodão com aspecto detonado, fendas e sobreposições de tons.


Shorts: Menos vistos na estação, eles surgem com efeitos splatters, listras laterais com glitter, barras viradas, diferentes lavagens em mistura de tonalidades, com abotoamento frontal, no estilo esportivo com elástico no cós. As bermudas são valorizadas no 100% algodão.


Calças: As skinnies ganham versões decoradas principalmente com patchs de feltros e paetês. Destaque ainda para a bike com lavagens agressivas e tecidos com resina. Entre os detalhes surgem stone washeds, clareamento com gel, ilhoses, efeitos destroyer, acid washed, blocos de cor com reservas, lixados, patches artesanais. A slouch slim surge com gancho deslocado e as retas vem fazendo sucesso na versão cropped com abotoamento na lateral, bordados, barras desfeitas e bainhas deslocadas.


A cropped flare faz sucesso lá fora, mas aqui é mais difícil de pegar. Ela surge com barras desfeitas e assimétricas e opções no black denim. Já a flare é a queridinha das brasileiras juntamente com a skinny. No inverno surgem mistura de tecidos, patchs, pregas. A pantacourt ou cropped wide ganha abotoamento duplo na verão militar. A Wide (pantalona) surge em menor quantidade, no PT, trabalhado no tom crú, com bordados laterais étnicos e florais ou ainda no liocel. A boyfriend ganha rasgos, respingos, detonados e paches internos e foi vista mais nos desfiles e menos nas ruas. Menos vistas a calça mom em modelos de cintura alta e a jogger com bases em 100%liocel com efeitos useds e punhos. Os macacões surgem com referências aos anos 90 ou justos, além de jardineiras e macaquinhos com patches ou elásticos na cintura, listrados, efeitos de reserva e rasgos.

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR