Síntese das coleções femininas apresentadas em São Paulo

Clima de floresta, vida submarina, musicalidade com bossa e cavaquinho no chapéu, e para finalizar, uma bela dose de anos 50 com direito à cinturinha marcada de Marilyn Monroe. Estes foram alguns dos temas mais direcionais, apresentados na semana de desfiles do São Paulo Fashion Week nas coleções de verão 2015. Sob o ponto de vista das passarelas, em território nacional não mais há escravidão para com a palavra tendências. Por isso vamos falar de influências. Do universo fashion global, os estilistas capturaram desejos de comprimentos, mas reinventaram silhuetas com o traço redondo e simples lembrando até mesmo o gesto nacional autêntico de Tarsila do Amaral, criando volumes para roupas que vestem de forma inigualável o visual do brasil, como o shortinho de beira de praia.


CORES: Duas paletas se destacaram nas passarelas como tonalidades desejo. Os tons vibrantes mas com um toque queimado de sol, e tons suaves desbotados pela ação da água. Na paleta suave e candy, tivemos os tons aguados de amarelo, verde e rosa. No contraponto, as cores mais saturadas foram contempladas em vermelho batom estilo Marilyn, a exemplo de Hercovitch, e também através do laranja queimado pelo sol, tão bem trabalhado pela Amapô. Em complemento, o militarismo adquiriu uma nuance mais próxima das paisagens da floresta, através do verde folha escuro, sendo esta também uma cor colocada com importância nos desfiles. Algumas combinações se destacaram, como o nude com o amarelo, o verde claro com acessórios bege, e o branco com azul e laranja.


ESTAMPAS: As inspirações exóticas que foram tão exploradas nas passarelas globais, em território nacional ganharam mais veracidade obedecendo aos cenários cativos do país. Além de temas florais, botânicos, e desenhos de folhagens, também a vida submarina, e os desenhos de peixes, foram contemplados pela Agua de Coco, e muito bem sucedidos na tarefa de fugir do clichê peixinhos e alcançar uma aparência exótica e uma textura refinada. A aparência exótica e híbrida trabalhada no circuito internacional, a primeira vista parece o mesmo nas coleções nacionais. Porém um olhar mais demorado revela motivos como desenhos de pessoas na beira da praia, escamas, e peixes.


FORMAS: Com o tema dos anos 50, Hercovitch trouxe comprimentos mais longos, saias tubulares, e cinturas bem marcadas. A atualização da silhueta cinquentinha se deu pelos ombros circulares, entre outros elementos. Na Amapô, destaque para os semi-círculos criados na silhueta, bem como os babados evasé nas laterais, propondo novas curvas para a mulher brasileira. Já na Animale, calças estilo pijama ganharam um caimento chic ao estilo resort, com jabôs acrescentando balanço em todo o comprimento.


PEÇAS-CHAVE: Short em novos volumes, tops, t-shirt cropped com ombros circulares, calça pijama estilo resort, blazer estampado e exótico, e o sobretudo de verão (levinho e estampado lembrando uma canga) a exemplo das peças esvoaçantes da Cavalera. No quesito saias, tivemos as tubulares e sequinhas estilo cinquentinha, e a evasé mais longa. Os shorts, além de ganharem construções de alta moda, e criarem novos contornos, também foram apresentados justinhos e com ganchos mais longos.


DENIM: Nas interpretações em denim, tivemos o índigo com caimento de alfaiataria, e os beneficiamentos quase totalmente desbotados, com manchas localizadas de pigmento, a exemplo da Colcci e Ellus. Na Cavalera, o azul médio, vintage fresco de beira-mar também realizou suas aparições. A Colcci trouxe um bonito trabalho de aplicações de pedrarias criando desenhos que em muito, lembram artesanato. destacaram se os beneficiamentos que descarregaram quase totalmente Já a Amapô, trouxe o jeans com gancho mais longo e chic, e trabalhos vazados nas laterais, revelando a pele e as curvas da mulher brasileira. No patamar de peças-chave, temos a formação de conjuntos, as jaquetinhas cropped, as longas estilo anos 90 sem mangas, os sobretudos em denim leve, macacões e vestidos.


VIVIAN DAVID | FOTOS: Agência Fotosite