Swarovski lança cristais em colaboração com Céline Cousteau

O que a Floresta Amazônica e os cristais Swarovski podem ter em comum? Muita coisa. E é esse o grande desafio da empresa quando chama colaboradores para criar novas coleções. A última delas foi a “Tribute to Tribe: The Nature of Us” em parceria com Céline Cousteau, neta de Jacques Cousteau e documentarista, ressaltando todos os mistérios e belezas desta enorme área do Brasil mesclando não só a natureza mas também as tradições indígenas como as pinturas corporais e acessórios. Desta mistura surgem duas linhas: Mistérios do Oceano buscando inspiração naquilo que a gente não vê a olhos nus e a relação humana com o ambiente em um tributo às tribos da Amazônia, retomando nossas raízes. Para a coleção de outono-inverno 16/17 a Natureza é o tema principal onde há uma conexão com o meio ambiente, diversidade e efeitos personalizados como tons de arco-íris, pérolas iridiscentes em novas cores, olho grego, entre outros.


Com 150 anos de história a Swarovski sempre trabalhou com produções sustentáveis e responsabilidade social. E, seguindo esse sucesso a diretora de design network e direção criativa da Swarovski, Ute Schumacher, conta como conseguem chegar num novo conceito e ideia. Confira!


O processo de pesquisa de tendências da Swarovski engloba vários fatores que acontecem no mundo. Entram aí além da moda, decoração, comportamento, política, consumo, economia, sociedade….que se juntam em informações complexas e, que posteriormente são filtradas e traduzidas em novos produtos. “É um olhar em 360 graus, absorvendo tudo através de entrevistas, redes sociais, revistas, desfiles, literatura, filmes, blogs, clientes, nos mais variados lugares”, conta Ute.
Segundo Ute sempre uma tendência chama uma “contratendência”, como por exemplo, a globalização e a volta às origens, a natureza, a fuga do stress. Entre as principais referências que irão influenciar as próximas coleções, ela destaca as seguintes:


– Bebês que nascem agora vão viver mais de 100 anos;

– As pessoas estão trabalhando mais em casa;

– As mulheres tornam-se mães mais tarde e normalmente têm filhos únicos;

– Mulheres cada vez mais ocupando cargos de comando;

– Homens em um novo papel como marido, pais, colaborando ativamente com as atividades domésticas;

– Momento vegano com uma previsão de que daqui há algum tempo, a maior parte das pessoas não consuma mais carnes e derivados;

– Tecnologia cada vez mais acelerada, modificando o comportamento da sociedade;

– Geração Y – de 21 a 34 anos – são mais críticos, discutem a sustentabilidade e não concordam em consumir produtos que não estejam de acordo com o meio ambiente. Querem saber como tudo é produzido, demoram para casar, são muito conectados, têm grande poder aquisitivo, mas estão focados nas experiências não somente no consumo;

– Geração Z – 13 a 20 anos – são mais críticos ainda, e muito individualizados, se comunicam muito pela internet e conscientes com a preservação do meio ambiente. É muito importante refletir sobre essas gerações que são os grandes consumidores do futuro;

– Mudanças na condição de gêneros, não existe somente homem ou mulher, é o conceito do “no gender”, a pessoa se veste como quiser, não quer se sentir limitados nas denominações referentes à sexo. Dentro desse item a Swarovski já produziu produtos unissex com cristais neutros ou ainda com muitas aplicações e cores que podem ser usadas pelos segmentos feminino e masculino;

– Valorização da diversidade, sem discriminar raça, religião, idade, deficiências, entre outras singularidades;

– Voltar a olhar para nossas raízes, para o que realmente importa;

– E, por fim: “o indivíduo precisa se auto-criar de maneira livre de clichês, isso vai ser a grande mudança no mundo da moda”, finaliza Ute.

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR