“Velhos” mercados lesam Guess

A Guess, que encontra-se sediada em Los Angeles, divulgou que seu lucro líquido baixou para 73,9 milhões de dólares no período de três meses até ao dia 2 de fevereiro, caindo dos 98,4 milhões de dólares registrados no ano passado. Os resultados incluíram um encargo de 12,8 milhões de dólares relacionado com a resolução de um litígio de auditoria fiscal na Itália – com os lucros ajustados chegando aos 81,4 milhões de dólares.


A marca foi também afetada pelos custos mais elevados de expansão do varejo na Europa, bem como a baixa do varejo na Europa e na América do Norte. A receita líquida total subiu 5,1% para os 815,1 milhões de dólares, com relação ao ano anterior. Em dólares a receita líquida total cresceu 4,2%.



Na América do Norte, as vendas no varejo subiram 1,9% chegando em 350 milhões de dólares. As vendas em lojas comparáveis caíram 6,3% em dólares e 7% em moeda local. Na Ásia e na Europa, as receitas subiram 19,2%, para os 84,2 milhões de dólares e 3,2%, para os 300,3 milhões de dólares, respectivamente.


? ?”Apesar de um ambiente difícil, fomos capazes de apresentar resultados financeiros no quarto trimestre que estavam na ponta mais alta das nossas expectativas”, comenta Paul Marciano. “Continuamos direcionando nossos esforços de expansão para novos mercados internacionais, com receitas crescentes nos dois dígitos em mercados-chave, como: Coreia, Alemanha, China, México e Rússia.”



“Na América do Norte, o menor tráfego e o ambiente promocional continuaram afetando o nosso negócio, enquanto no Sul da Europa, as fracas condições económicas continuam prejudicando a confiança do consumidor.”



Durante o ano, o lucro líquido chegou a 181,5 milhões de dólares, abaixo dos 270,7 milhões de dólares no ano passado, enquanto as receitas líquidas caíram 1,1% para os 2,66 mil milhões de dólares.



Olhando para o futuro, Marciano acrescentou: “Entramos neste ano fiscal com a expectativa de que o ambiente macroeconómico irá continuar desafiador. Nos nossos mercados mais desenvolvidos, vamos continuar investindo em iniciativas de marketing e merchandising visual para melhorar o desempenho das nossas lojas, enquanto apertamos a gestão das despesas e stocks para proteger a nossa forte posição financeira.”



“Já fizemos progressos na racionalização das nossas operações nesses mercados, que esperamos que resultem numa economia de custos no futuro. Ao mesmo tempo, continuaremos investindo em mercados subdesenvolvidos, onde o conhecimento da marca é elevado, mas menos penetrado”.

REDAÇÃO | FOTO: REPRODUÇÃO