Vicunha apoia coleções com tecidos naturais, alto stretch e bases metalizadas

Vicunha esteve presente na Casa de Criadores apoiando 19 estilistas, com 36 artigos e, em 135 looks apresentados na passarela. Destaque para os tecidos naturais como o Creta, sarja de composição mista de algodão, modal e linho que confere leveza e frescor, e o White Jeans 9,5, que dispensa processos de tingimento e lavagens.

Os tecidos apareceram entre as marcas Cho.Project, NotEqual, Priscilla Silva, Reptilia e KOIA, em criações como conjuntos, sobretudos desconstruídos e vestidos oversized. Com isso, a versatilidade dos artigos foi ressaltada, valorizando o aspecto natural das fibras em modelagens amplas na alfaiataria e na camisaria.

Já o brim Diamond, tecido premium com fios de LUREX® Supersoft, surgiu na marca de moda plus size Rainha Nagô, na alfaiataria inspirada na década de 80 da Boutique Venenosa e nos looks de Dario Mittmann, com o artigo utilizado tanto no direito, quanto no avesso.

Seguindo o conforto do alto stretch, os estilistas Mateus Cardoso, Igor Dadona, Diego Gama e a marca Reptilia, de Heloisa Strobel, utilizaram artigos que favorecem o movimento do corpo como Maranello, Lavine, Natalia e Amsterdam, este último com construção cetim e superstretch, reinterpretado de diversas maneiras na passarela, graças à sua maleabilidade e a sua sensação de extremo conforto e bem-estar.

Da linha V.Eco Absolut, os artigos Morus e Pine, que economizam até 95% de água e de químicos em sua produção, estiveram presentes no look exclusivo em jeanswear da KOIA, no desfile da Sou de Algodão. Além deles, as malhas denim Margô e Karen apareceram com acabamentos feitos à mão na coleção de Diego Fávaro, que traduziram o estilo streetwear da marca em peças que conferem performance e liberdade de movimento, graças ao stretch multidirecional das bases.

Fonte: Redação | Fotos: Divulgação