Vicunha cria banco de tecidos para ações sociais no combate à Covid-19

À frente de ações no combate ao novo coronavírus, a Vicunha Têxtil inova ao anunciar a criação de um banco de tecidos, a VTEX. A tecelagem busca contribuir com iniciativas sociais de parceiros, marcas e instituições que têm como foco o enfrentamento à pandemia.

O projeto contribui com iniciativas de parceiros como o projeto PIM (Periferia Inventando Moda), idealizado pelo estilista Alex Santos, que promove a capacitação profissional e empoderamento de jovens em vulnerabilidade social. Para frear o avanço da pandemia na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, a empresa doou máscaras prontas e tecidos para o PIM Acolhe, desdobramento do projeto criado com o objetivo de distribuir ao menos 600 máscaras na região.

Em São Bernardo do Campo, a estilista Priscilla Silva também recebeu tecidos da fabricante para confecção de máscaras, com verba revertida à compra de cestas básicas para aldeias indígenas Pipipãs, Kapinawá e Kambiwá, sediadas em Pernambuco.

“Mais do que nunca, a conexão entre comunidade e indústria por meio da colaboração se faz necessária para geração de impacto positivo na sociedade,” afirma Francisco Gonzalez, coordenador de moda da Vicunha.

“O apoio da Vicunha a estilistas e instituições que fazem a diferença em momentos desafiadores como este, reafirma nosso compromisso em abrir espaços e diálogos para o desenvolvimento criativo e profissional na moda e para a amplificação do poder de mudança desses atores sociais diante de um mundo em transformação,” finalizou.

A plataforma de parceria com novos criativos se volta neste momento para conduzir iniciativas sociais com foco no enfrentamento ao novo coronavírus e abrange ainda estilistas como Renata Buzzo, Heloisa Faria, Rafael Garcia, Jal Viera Brand, Pedro Motta e Cem Freio. Os profissionais são apoiados pela Vicunha em semanas de moda, criações, coleções sazonais e cápsula, entre outras ações.

Além disso, somam-se às ações do banco de tecidos o apoio a instituições, marcas e pequenos empreendedores no combate ao Covid-19. São exemplos desta parceria ONGs como Amigos do Bem e Doutores da Alegria, a marca Consciência Jeans e a Associação para a Educação, Esporte, Empreendedorismo e Direitos dos Pacientes da Divisão de Reabilitação do Hospital das Clínicas (AEDREHC).

Vale destacar que, nos últimos meses, a Vicunha doou tecidos ao Grupo Guararapes para a produção de 40 mil máscaras, doou 27 mil EPIs às secretarias do estado do Ceará e Rio Grande do Norte. A empresa também apoiou instituições como a Avenues World School (São Paulo), para confecção de máscaras para comunidades carentes e profissionais de saúde, e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), além de reabrir em maio sua Sala de Costura para produção de 36 mil máscaras para funcionários, suas famílias e a comunidade.

Ainda no início das atividades presenciais, a tecelagem lançou um canal oficial “Juntos no combate ao Coronavírus“, a fim de garantir um diálogo aberto com seus públicos durante o período de pandemia.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução