Abit embarca em maior missão empresarial no mundo árabe

A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) integra a maior missão comercial já realizada para um país árabe durante a Expo Dubai 2020. A delegação liderada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) conta com 327 representantes de 230 indústrias.

As instituições iniciam, a partir do próximo dia 13 de novembro, uma agenda que inclui rodadas de prospecção de negócios, networking empresarial, visitas técnicas e de busca de oportunidades de investimentos em Dubai.

Com programação até 19 de novembro, a missão tem como pano de fundo a Expo Dubai 2020, o maio evento em curso no planeta. Segundo o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, por reunir autoridades e lideranças empresariais de diversas partes do mundo, a exposição mundial representa um ambiente propício ao estreitamento de contatos entre o setor privado e para se conhecer melhor o mercado local.

“A missão tem um significado muito importante, pois o Brasil tem lá um espaço dedicado a mostrar o que tem de melhor no país em vários setores e realmente temos o que mostrar ao mundo. Entre eles, temos a nossa área têxtil, confecção, moda, design e inovação”, declara o presidente da Abit, Fernando Pimentel.

“Vejo que a possibilidade de estarmos lá antecede, inclusive, a expectativa que temos de realizar um evento de negócios e moda, em 2022, no âmbito da Expo Mundial. Portanto, é importante que o Brasil se mostre ao mundo como um país competente, capaz em vários segmentos industriais, comerciais e de serviços. Essas missões têm esse caráter de promover encontros, gerar possibilidades de novos negócios, conhecimento e informação que se traduzirão depois em motivação para novos investimentos e novas ações visando aumentar a nossa competividade e melhorar a posição brasileira na agenda internacional de comércio de investimentos”, completou.

Realizada em parceria com a Apex-Brasil e com o apoio da Dubai Chamber e da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira (CCAB), a missão empresarial reúne, além de representantes de entidades estaduais e setoriais da indústria, altos executivos e proprietários de empresas. Dos 327 integrantes da missão, por exemplo, 77% são CEOs ou donos de indústrias.

“O Brasil é reconhecido pelos Emirados Árabes como um parceiro estratégico. Há uma sintonia muito natural entre os árabes e o Brasil e eles veem o Brasil como um país de oportunidades, não apenas pelo tamanho do mercado de consumo como também pela influência e relevância que o país tem para a América Latina”, indicou Robson Andrade.

A gerente de Internacionalização da CNI, Sarah Saldanha, explica que a programação desenvolvida pela CNI para o público visa dar ferramentas ao empresário brasileiro para que concretize negócios ou projetos de investimentos nos EAU. Além de fornecer conhecimento prático e informações de mercado, a agenda da missão inclui palestras sobre aspectos socioculturais de negociações com o mundo árabe e apresentação das entidades que atuam nesses países em negócios e investimentos.

“As empresas participarão de uma série de visitas técnicas conectadas aos interesses das empresas, como pontos de venda de varejo, áreas portuárias e logística, centros financeiros e Núcleos de tecnologia e inovação. A ideia é que a empresa vivencie os EAU e respire a sua cultura empresarial e jeito de fazer negócios”, detalhou Sarah Saldanha.

“Já as empresas mais maduras mais maduras poderão, ainda, participar de sessões de networking empresarial nas quais, facilitados por consultores especialistas, poderão apresentar seus negócios e projetos e já estabelecer pontes para uma futura atuação comercial ou de investimento com os EAU”, finalizou.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução