Baixa inflação de janeiro tem influência do vestuário

Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o IPCA de janeiro, de 0,21%, o menor para o mês desde o Plano Real, teve forte influência do vestuário, que apresentou deflação de 0,48%, a maior dentre todos os segmentos. A entidade também anunciou a redução do déficit da balança comercial e do saldo negativo de postos de trabalho e o aumento da produção física.

Com relação ao comércio exterior, as exportações, de US$ 61 milhões, em janeiro de 2020, caíram 4,43% em relação ao mesmo mês de 2019, quando foram de U$ 60,73 milhões. As importações recuaram 8,72%, passando de US$ 529 milhões para US$ 483 milhões no mesmo período. O déficit comercial do setor apresentou redução de 9,8%, diminuindo de US$ 468 milhões para US$ 422 milhões

Em relação aos postos de trabalho, o quadro setorial teve melhora, pois foram contratados, no total acumulado de 2019, 316.977 pessoas, ante 304.510, em 2018. Considerando-se as demissões ocorridas nos dois anos, o saldo negativo de postos de trabalho diminui de 27.326 para 10.281.

Quanto à produção física, o segmento de vestuário apresentou crescimento de 0,3% em 2019, em relação a 2018. Já a produção dos têxteis recuou 0,9%. Para efeito de comparação, a produção física da indústria de transformação como um todo caiu 0,2% no ano passado, ante o anterior.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução