Enfeite ou efeito?

Os bordados estão de cara nova ou melhor dizendo – de cara antiga: nostálgicos, autênticos comunicando entre flores e mimos o bom e velho conceito vintage que tanto tem predominado de maneira insistente nas últimas temporadas.


Os desenhos continuam elaborados e preciosos porém a função de enfeite passou a ser substituí­da pela de efeito: tal qual os efeitos de beneficiamento como puí­dos, devorês e desgastes agora os bordados surgem para reforçar a aparência surrada de um jeans marcado pelo tempo. Para tanto, surgem em cores menos contrastantes como bege e marrom – o que de longe lembra um efeito de sujinho porém de perto revela desenhos detalhados.


Na Colcci e Salsa, na maioria de suas aparições os bordados vieram com estas caracterí­sticas e geralmente localizados nos pontos de maior desgaste da peça misturados a buracos, lixados, puí­dos e corrosões.


Já na Goldspun e Guess os bordados vieram em tom igual ou ligeiramente mais saturado em comparação a cor da área onde foram aplicados: mais um artifí­cio para reforçar a proposta vintage já que o desenho do bordado só pode ser percebido de perto pois de longe a pouca nitidez sugere um efeito semelhante a um lixado, desgaste ou puí­do.


Bordados de contorno preenchendo grandes áreas – recorrentes nas coleções da Maison Scotch e Colins – também funcionaram como interferência na superfí­cie do denim ao invés de atuar como mero enfeite.


Porém os bordados vaidosos e delicados não saí­ram completamente de cena – desta vez menos frequentes, porém mais desobedientes vieram aplicados em localizações incomuns como mangas, barras e ombros de casacos.


VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR