Entrevista exclusiva com José Eduardo Nahas, fundador do Grupo Zune Jeans

Fizemos mais uma entrevista exclusiva e dessa vez com José Eduardo Nahas, fundador do Grupo Zune, detentor das marcas Zune Jeans, Rock & Soda, Über. Ele contou para nós como passou de fabricante de acessórios de carros para um empresário de jeanswear reconhecido no mercado nacional. Também revelou algumas estratégias que ajudaram a manter o Grupo sempre em ascensão mesmo com 33 anos de história.


Guia JeansWear : Como deu início a história da Zune Jeans?


José Eduardo: A “marca” Zune começou como acessórios de automóveis há mais de 40 anos atrás. Porém quando os carros começaram a chegar equipados no mercado, as vendas desse tipo de produto despencaram. Eu vi no jeans wear uma oportunidade de atender o mesmo público jovem que a Zune atendia como fabricante de acessórios automotivos e foi aí que a história como marca de roupas começou.


GJW: Da onde surgiu o nome Zune?


JE: Zune é meu apelido pessoal, não é nome nem sobrenome. Ficou marcado e até hoje me chamam de Zune.


GJW: O que mudou do início até hoje?


JE: A Zune está há 33 anos no mercado, começamos no Itaim Bibi, depois migramos para o ABC com uma rede de varejo. Em 2000 mudamos para o Brás e começamos a trabalhar no mercado atacadista com foco no mercado masculino. Naquela época o Brás era muito voltado para o jeans feminino e quando lançamos nossa calça masculina com uma boca mais larga, diferente do que era visto por aí, ganhamos destaque, a modelagem virou febre e começamos a ganhar espaço significativo no mercado.


GJW: Qual o conceito da marca?


JE: Para te falar do conceito eu vou ter que te falar sobre todas as marcas. A Zune Jeans é voltada para as classes B e C com linhas masculinas e femininas. Fizemos uma parceria com a Juju Salimeni, que emprestou seu nome para nossa linha feminina.

A Rock & Soda Jeans é uma marca mais clean, jovem e exclusivamente masculina enquanto a Über é uma marca exclusivamente feminina com foco na modelagem perfeita, jeans de alta qualidade e preço baixo. A idéia da marca é atender um público jovem, tanto que temos uma linha chamada Glitter, que conta com o uso de muitos aviamentos, brilhos, glitters e strass.


GJW: Como surgiu a idéia da parceria com a Juju Salimeni?


JE: A Juju tinha dificuldade em encontrar um jeans que vestisse bem no corpo mais malhado e era uma coisa que os nossos vendedores ouviam nas lojas também. Fizemos algumas reuniões, tiramos as medidas dela e lançamos uma linha bem própria para o corpo da mulher brasileira.


GJW: Qual o diferencial no jeans?


JE: Trabalhamos com os melhores tecidos disponíveis no mercado, prezamos muito uma modelagem perfeita para o corpo da mulher brasileira e buscamos sempre atender nosso público da melhor maneira possível.


GJW: A lavanderia é própria ou terceirizada?


JE: A lavanderia é terceirizada.


GJW: Vocês usam a tecnologia de beneficiamento a laser?


b>JE: O laser é um processo fantástico e dá pra fazer tudo com ele. Creio que é o futuro, porém o preço tem que abaixar. Ainda está um pouco caro para a produção.


GJW: Mas você não acha que parte das marcas aceitarem o custo já que o laser agrega vários benefícios?


JE: Não. Eu acho que quem tem que aceitar é o consumidor. Se ele está disposto a pagar esse valor a mais pelo beneficiamento a laser, nós produzimos.


GJW: E em relação aos detalhes? Como são escolhidos e utilizados os aviamentos, bordados e etc?


JE: Os aviamentos são desenvolvidos com exclusividade, produzidos e importados da China.


GJW: Com relação à produção das peças?


JE: Toda a produção é terceirizada com diferentes fornecedores, exceto lavanderia que é focado em poucos parceiros.

Algumas coleções são feitas na China e importadas prontas para o Brasil. O Zuninho, meu filho, viaja para a Europa em busca de informações e tendências, depois com esse material ele vai à China e desenvolve as coleções junto com os nossos parceiros de lá. Eles fazem as peças pilotos e mandam para nós provarmos e fazermos as alterações necessárias, porque a modelagem é desenvolvida aqui no Brasil. Depois de todas as provas e alterações necessárias, a peça é aprovada e está ok para ser desenvolvida em quantidade. As peças chegam prontas para serem vendidas. Hoje, 30 a 40% da nossa produção total é feita na China.


GJW: Até a lavagem vocês fazem lá?


JE: Sim, a peça chega embalada. No começo essa parte de lavanderia era muito difícil mas agora eles melhoram bastante nessa questão.


GJW: Quantas peças são produzidas por mês? E quantas peças em denim?


JE: A produção total do Grupo gira em torno de 100 mil peças por mês.

GJW: A Zune participa de eventos como feiras e desfiles?


JE: Sim, as vendas em feiras movimentam o atacado e agregam vendas nas nossas lojas que agora também contam com showroom. Os clientes escolhem as peças e a quantidade que desejam e entregamos pra eles em 2 meses. As vendas da feira com as do showroom são responsáveis por grande parte das vendas totais do Grupo.


GJW: Como funciona a equipe de estilo?


JE: Cada marca tem sua equipe de estilo, que trabalham cada uma focada no público de cada marca e temos uma coordenadora que comanda as equipes da Zune, da Über e da Rock & Soda.


GJW: Quais as estratégias de marketing adotadas para se sobressair no mercado?


JE: Nós temos por estratégia linkar a etiqueta com um rosto famoso e conhecido. Firmamos contrato com o Neymar Junior, e ele alavancou as vendas. Quando ele apareceu na Espanha de Rock & Soda, algumas empresas entraram em contato com interesse em importar a marca. Ele também foi o grande rosto no nosso stand da Fenim em São Paulo.

Na Zune, a parceria com a Juju Salimeni foi bem recebida também, ela fez várias fotos pra gente.

Já a Über, como é uma marca relativamente nova e que já têm boas vendas, ainda não estamos pensando em firmar parceria com nenhuma celebridade, porém posso adiantar que para o Verão 2014, algumas bailarinas do Faustão fotografaram para uma campanha da marca.


GJW: As novidades chegam todas as semanas nas lojas?


JE: Temos por regra na Zune e na Über colocar em torno de 5 modelos novos por semana. Hoje o mercado pede novidades muito mais rápido do que antes, não dá pra ficar preso apenas às estações.


GJW: Quantas lojas no varejo e multimarcas pelo Brasil?


JE: São 5 lojas de varejo na região do ABC da Zune com algumas peças da Über e Rock Soda. Esse mês abriremos nossa 10ª loja aqui no Brás.


GJW: Quais os maiores pólos de venda da Zune?


JE: O Norte e Nordeste. No nordeste a Zune masculina é muito forte.


GJW: Vocês trabalham com representantes de vendas?


JE: Não temos representantes e ainda não estamos pensando nisso.


GJW: Vocês pensam em criar e.commerce? Hoje o mercado na internet é muito forte, vocês pensam nisso?


JE: O projeto para isso ainda está em estudo. Recebemos algumas propostas de parceria também, mas o e.commerce não é brincadeira. É algo complexo que exige muito trabalho e planejamento. Tem que ser muito bem feito para não dar errado então não tem nada concreto com relação a isso.


GJW: Hoje muitos fornecedores viraram concorrentes e temos grandes pólos de moda pelo Brasil ganhando destaque. Vocês pensam em abrir lojas fora de São Paulo?


JE: O mercado está descentralizando e concorrentes estão aparecendo em todo o Brasil, é verdade. Porém no momento a Zune prefere preservar o mercado que já tem na mão. A administração a distância é difícil e complexa, você tem que ter toda uma estrutura para que o negócio dê certo. Por esse motivo não pensamos em abrir lojas fora de São Paulo tão cedo.


GJW: A marca exporta?


JE: No início de 2000 havia muita oportunidade de exportação e muitos estrangeiros comprando para levar para o resto da América do Sul e África. A alta do dólar freou essas vendas, a mercadoria ficou muito barata para eles. Inclusive tivemos casos de falsificação que levaram a Zune a registrar a marca fora do Brasil também. Hoje, o foco do Grupo Zune é no mercado interno.


GJW: Qual a estrutura de negócios?


JE: A estrutura da Zune é familiar. Eu controlo a produção e minha esposa fica no financeiro com a minha filha auxiliando. O Zuninho, meu filho, cuida da parte de expansão e estilo geral, comanda as coleções feitas na China e acompanha as tendências em todo o mundo.


GJW: Para o Verão 2014 alguma tendência que vocês apostaram?


JE: Os shorts, ele está presente em peso nas coleções em diversos modelos diferentes.