Estampas e denim italiano em evidência para o menswear

Atmosfera positiva, denim, diversas instalações com o tema “pingue-pongue” e muita alfaiataria marcaram a mais recente edição da feira Pitti Uomo, que aconteceu entre os dias 17 e 19 de junho em Florença, na Itália. O evento, que já está em sua 86º edição, registrou mais de 19.000 visitantes, 4% a mais do que no ano anterior. Se os resultados parecem regulares, este pode ser o melhor parâmetro registrado em anos, especialmente em função do aumento da presença de compradores estrangeiros e do gradual retorno de varejistas italianos ao público presente.



Entre as tendências mais direcionais identificadas na feira, se sobressaíram as numerosas interpretações em estampas florais e cores vibrantes. Plantas e flores exóticas decoraram jaquetas, casacos, calças e até sapatos e tênis, em marcas como Gas, Colmar, President’s e Add. Entre as tonalidades que se mostraram consenso nas coleções, destaque para as paletas luminosas de pink, azuis intensos, e as mais diferentes variações de verde – do esmeralda ao escuro. Outro forte apontamento colocado pelas marcas de jeans e sportswear foi o tema motociclismo em estilo vintage. Entre as companhias que focaram este tema, salientamos a 2M2W, Roy Rogers e Blauer, que reinterpretou a jaqueta biker em novos materiais como couro perfurado e nylon. Por fim, o já mencionado “pingue-pongue” foi elemento inspiracional de diversas coleções cápsula.



Outro grande destaque do evento foi a grande atenção dispensada ao denim identificado como “Made in italy”. Em parte, devido ao evento promocional Italian Denim Makers, formado por parceiros de peso na indústria global como Lavanderia Martelli e Candiani Denim. O grupo apresentou uma exposição interpretando o denim italiano em quatro temas direcionais: Vero, abrangendo o denim conectado à tradição e ao workwear, Palestra, onde o índigo se dilui no estilo sport-fashion, D-segno, com visual gráfico e minimalista, e Sartoria, uma releitura do guarda-roupa formal e dos tecidos em alfaiataria pelo denim italiano. As peças foram desenvolvidas por designers muito próximos da cadeia têxtil, e portanto, com visões altamente sensitivas de mercado.



Segundo Angulo Figos, Diretor Criativo da Pitti Fillati, “existe um forte contexto, bem como uma adesão coletiva do pensamento de que o denim pode ser muito bem sucedido quando usado na parte mais formal do guarda-roupa masculino.” E por esse motivo, Figos aponta o tema Sartorial, como um dos mais fortes para influenciar a moda masculina. De fato, é o que temos visto nas coleções apresentadas no menswear global: paletós, chinos, blazers e toda a sorte de peças bem cortadas confeccionados em denim, ocupando um espaço cada vez maior entre os lançamentos.



Entre as marcas que exploraram a estratégia de agregar valor à suas coleções, ostentando o selo de qualidade “made in italy” destaque para a Meltin Pot, que apresentou uma capsule collection intitulada Deep Yellow com 40 itens completamente desenvolvidos na Itália. No quesito lançamentos, destaque também para a G-Star que apresentou a linha sustentável Raw for the Oceans, desenvolvida com denim composto por garrafas pet encontradas no oceano e recicladas na composição da fibra.


VIVIAN DAVID / FOTOS: REPRODUÇÃO