Indústria têxtil e de confecção sinaliza recuperação no primeiro quadrimestre

Durante o primeiro quadrimestre de 2021, a indústria têxtil e de confecção apresentou uma recuperação em relação ao mesmo período no ano passado. A produção têxtil cresceu 30,9% e a de confecção, 27,6%. Houve um avanço de 7,2% no primeiro segmento e queda de 10,8%, no segundo nos últimos 12 meses.

Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, os números, assim como os dados do PIB nacional no primeiro trimestre, que surpreenderam positivamente, mostram haver espaço para retomada econômica este ano.

Pimentel observa que, já considerando o mês de abril, a produção do segmento têxtil apresenta desempenho muito próximo do patamar de 2019. Contudo, a confecção ainda está abaixo do desempenho que apresentou no período pré-pandêmico.

O presidente da Abit pondera que a retomada efetiva do crescimento dependerá da continuidade e avanço das reformas estruturantes, principalmente a tributária e a administrativa.

“É preciso considerar, ainda, que quanto mais formos nos aproximando das eleições de 2022, será maior o impacto do quadro político no humor da economia, na confiança dos empreendedores e dos consumidores e nas decisões de investimentos”, afirmou o presidente da Abit.

Ainda de acordo com Pimentel, ainda há um grau elevado de incertezas, derivado da persistência da pandemia, da necessidade de avanço mais rápido da vacinação, da preocupação com o baixo nível dos reservatórios de água e risco de racionamento de energia elétrica, bem como da agenda de modernização e adequação do arcabouço legal à demanda premente do aumento de competitividade da indústria e da economia.

Não podemos continuar desperdiçando chances, pois o Brasil, na última década, cresceu 0,3% ao ano, ou seja, pouco mais de 3%, enquanto o mundo teve expansão superior a 30%. Desaprendemos de como promover a expansão do PIB de modo continuado e sustentável”, completou.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução