Vicunha tem coleção focada na sustentabilidade e desejos do consumidor

Podemos afirmar que a palavra sustentabilidade está em alta, principalmente neste ano tão desafiador, onde fomos obrigados a parar, repensar nossa vida e, também nosso planeta, perceber nosso entorno e como podemos ajudar na construção de um mundo melhor. Os olhares se voltaram mais para as comunidades locais, para o consumo consciente, para peças atemporais e duráveis, o dia a dia mais perto da natureza e a valorização de pequenas ações e da saúde mental em meio ao caos que a pandemia trouxe.

Zeitgeist

Cada período em que vivemos reflete o espírito daquele tempo, o Zeitgeist reúne a cultura, sociedade, clima, entre outros. E como podemos definir esse ano totalmente atípico?

Segundo Lorena Botti, coolhunter da Vicunha, o ano de 2020 pode ser considerado como uma década por conta dos inúmeros acontecimentos que mudaram o mundo onde surgiram questões como o medo, insegurança, crises financeiras. Porém, a pandemia também trouxe sentimentos como união, valorização do coletivo, e de uma certa forma, um cenário otimista, porém realista, confiante no futuro.

Comportamento do consumidor

Para Lorena Botti, os consumidores estão cada vez mais conectados, exigentes, com expectativas bem altas em relação às empresas, mas também estão mais solidários. Eles querem transparência, verdade, produtos sustentáveis. Querem saber de onde vêm as roupas e quem as produz. Buscam uma conexão maior com a natureza, mesmo dentro de casa, através das plantas.

Há também uma procura maior pela alimentação saudável, natural e até o veganismo. Na moda, vemos muitos tingimentos botânicos produzidos através de elementos naturais ou de um jeito artesanal.

Os atuais consumidores valorizam o “menos é mais”, adquirindo o que realmente é essencial e buscando produtos mais duráveis seguindo um consumo mais consciente. A economia circular também vem sendo colocada em pauta, inclusive no segmento jeanswear com iniciativas para dar uma vida mais longa ao jeans, tentando eliminar o sistema linear de produção.

Soluções da indústria

A sustentabilidade tornou-se algo essencial tanto para as empresas quanto para os consumidores mais antenados. Mas, o que as indústrias estão fazendo com relação às práticas sustentáveis? É um longo caminho que deve ser percorrido, com calma, dedicação, persistência e transparência, com foco em um consumidor exigente e que cobra ações mais responsáveis por parte das marcas e toda a cadeia de moda.

A Vicunha, que está há 52 anos no mercado, atua no formato “glocal”. Segundo Lorena, a empresa trabalha com seis pilares: pessoas (englobando o bem-estar, segurança, treinamento, filantropia e educação), recursos (projetos relacionados à energia, água, materiais, co2), mundo (visão global sobre o meio ambiente), inovação (tecnologia, investimento, pesquisa, circularidade…), cultura (valorizando o produto brasileiro com olhar para cada região), gestão (investimento em rastreabilidade e padronização).

“Criamos um modelo único para servir nosso cliente: o One Stop Shop. O jeans é único e também de todos e a gente tem a missão de estimular a cultura do jeanswear para cada pessoa ou marca encontrar seu ‘jeansidentity’. Esse modelo tem o objetivo de atender nossos clientes adaptando todos os serviços para eles, inspirando, ajudando a crescer com serviços de inteligência, consultoria, lavanderia, atendimento, pesquisas de tendências, produtos sustentáveis”, afirma Lorena.

E, continua: “Apostamos e investimos na união da cadeia. Compartilhar conhecimento faz parte do nosso DNA, e é por isso que estamos trabalhando ativamente para estar junto em todos os elos da cadeia, para ajudar a melhorar o presente e construir um futuro mais próspero”.

Segundo Lorena, sustentabilidade para a Vicunha é algo holístico, não só o produto, mas com uma visão macro, com investimentos em certificações, programas, selos que ajudam a melhorar cada vez mais, transmitindo segurança para a empresa e para os clientes.

O que esperar para o futuro?

“Trabalhar para que nossos tecidos sejam biodegradáveis, de uma certa maneira. Nós evoluímos bastante, mas há ainda muito espaço para crescer”, diz Marcel Imaizumi, diretor executivo de operações da Vicunha. Para ele, um mundo perfeito seria destinar as roupas até o fim do ciclo de vida, dando um significado diferente, valorizando as técnicas do upcycling, os brechós, sites de trocas e vendas.

“Sustentabilidade é sinônimo de eficiência, é um conceito fácil de falar e difícil de aplicar, e é também uma história que não tem fim […] Nós adotamos uma filosofia um pouco diferente. Entendemos que somos partes importantes de uma cadeia que necessita de informações. Há uma preocupação com a sustentabilidade, mas nem os consumidores e nem as empresas investem tempo suficiente para pesquisar e aprofundar a discussão”, disse o diretor executivo.

Marcel conta que a empresa adotou essa postura, de ser um centro de informação e de consultoria, dividindo conhecimento com a cadeia de moda. Para os próximos cinco, dez anos, o diretor afirma que a tecnologia e a pesquisa vêm muito fortemente orientados pela questão da sustentabilidade, que no passado foi vista como custo. E as marcas também vão seguir esse caminho.

“Não somos vendedores de pano, somos uma empresa com uma responsabilidade muito grande”, comenta Marcel Imaizumi.

Lançamentos

A Vicunha apresenta sua edição V.2 com o lançamento de novos artigos, no próximo dia 24 de novembro em um evento online – saiba mais aqui.

Nesta edição, a Vicunha valoriza os processos de transformação, investindo na gestão de resíduos e inovação de matérias-primas, que resultam em uma coleção de 8 artigos pautados 100% pela sustentabilidade. Mais uma vez com uma proposta  enxuta e assertiva para a gama de novos produtos, a coleção engloba três lançamentos no denim e cinco no denim Colour, com destaque para a utilização de corantes naturais, produzidos a partir de resíduos naturais renováveis, e de fibras recicladas, incluindo o uso de algodão reciclado do pré e pós-consumo industrial.

Entre as tecnologias de estreia consta o Lycra®️ EcoMade, primeiro fio de elastano do fabricante de fibras produzido com sobras de materiais, lançado com exclusividade em parceria com a Vicunha na próxima semana.

Serviço:

Data do evento: 24/11
Horário: das 14h às 16h
Inscrição: www.vicunhaonlinestopshop.com.br

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Reprodução