Lúcio Albuquerque, CEO do Grupo Handara fala sobre busca por inovação

Há mais de 20 anos no mercado, com 25 lojas na pronta-entrega, e presente no Brasil e em Portugal, a Handara conquista cada vez mais consumidores em busca da modelagem perfeita em peças ideais para qualquer ocasião e, que unem matéria-prima de qualidade, conforto e lavanderia diferenciada. Sempre em busca de inovações, a empresa já entrou na era da Indústria 4.0, investindo em maquinário e também na utilização do laser e ozônio, pensando na preservação do meio ambiente, economizando produtos químicos e água. Conheça mais sobre a marca nessa entrevista exclusiva com Lúcio Albuquerque, CEO do Grupo Handara.

GJ: Como surgiu a ideia de criar a Handara?

LA: A Handara foi criada para atender as necessidades da mulher nordestina de vestir o jeans adaptado ao seu corpo. Cintura fina, quadril largo, coxas grossas e bumbum grande.

GJ: Qual o significado do nome da marca?

LA: Buscamos inspiração num nome ZEN, pois a mulher Handara é forte, independente, elegante, empoderada, moderna, mãe, madura, que gosta de moda e acompanha as tendências.

GJ: Qual o estilo da mulher que veste Handara?

LA: A mulher Handara tem um estilo clássico e contemporâneo. Prefere peças descomplicadas para o dia a dia, onde ela possa montar looks versáteis, para trabalhar e também transformar esse mesmo look para o Happy hour.

GJ: E do homem?

LA: É o companheiro da mulher Handara, é mais básico e clean, valoriza uma boa modelagem e o conforto.

GJ: Vocês valorizam bastante os consultores de vendas espalhados pelo Brasil. Conte-nos sobre esse modelo de negócios.

LA: A Handara reinventou o jeito como as mulheres compram e trabalham com moda e, criou oportunidade para mais de 5 mil pessoas desenvolverem uma atividade alternativa que seja relevante, libertadora e lucrativa.

GJ: Qual o diferencial da calça jeans Handara?

LA: O principal diferencial da calça jeans Handara é a modelagem, aliada a matéria-prima da mais alta qualidade e processo produtivo indústria 4.0, que garante um excelente padrão de qualidade. Nosso jeans valoriza o corpo da mulher brasileira, respeitando as curvas com o máximo conforto.

GJ: Em lavanderia, quais os principais processos realizados?

LA: Como nos preocupamos com a preservação do meio ambiente nós diminuímos muito a utilização de água através do laser e do ozônio, sendo esses os principais processos utilizados atualmente na nossa lavanderia. Nossa estação de tratamento de efluentes possibilita o reuso de 80% da água, e os 20% restantes são usados para jardinagem.

GJ: Quais as principais modelagens e lavagens para o Inverno 2019?

LA: Nossa principal modelagem e a best seller de todas as coleções é a calça Skinny e no inverno não será diferente, porém estamos apostando em modelagens novas como a calça wide leg, boot cut e pantacourt.

GJ: Vocês trabalham com plus size? Quais os diferenciais nessas peças?

LA: Trabalhamos sim e assim como nas outras peças, primamos muito pela modelagem e conforto.

GJ: Como se comunicam com os clientes?

LA: Através das redes sociais, da imprensa e mídia outdoor.

GJ: Como divulgam as novidades?

LA: Divulgamos através de catálogos virtuais que são semanais e também pelas Redes Sociais.

GJ: Quantas peças são produzidas por mês?

LA: Em torno de 100 mil peças.

GJ: E os lançamentos são diários, semanais ou mensais?

LA: Nossa linha de básico tem o lançamento mensal e as demais peças são semanais.

GJ: Como estão se adequando à essa nova fase, com o avanço da indústria 4.0? Quais os investimentos em maquinário e processos de produção?

LA: A adoção de novas tecnologias é um valor primordial na Handara. Adotamos a Indústria 4.0 desde o desenvolvimento das coleções até o acabamento final. Usamos o soft Kaledo (Lectra) para desenvolvimento em tecido plano e malha, e o MYR para desenvolvimento do jeans. Esses softs se comunicam com o Modaris (Lectra) por meios virtuais para desenvolvimento das modelagens. O Modaris se comunica com o Diamino (Lectra) que faz o encaixe. O Dimino se comunica com a enfestadeira da Mario Fonio, que por sua vez se comunica com a máquina de corte Vector ix6 (Lectra). A costura é quase 70% automatizada com máquinas da Vibemac. Na lavanderia usamos Laser e Ozônio.

GJ: E como trabalham para preservar o meio ambiente e toda a questão da sustentabilidade?

LA: Como já foi mencionado anteriormente, diminuímos bastante a utilização de água na nossa lavanderia com a utilização de laser e ozônio.  Além disso, apoiamos ações para neutralizar nossa emissão de gás carbônico, através da Associação Caatinga, que gerencia a RPPN Serra das Almas. É uma reserva no bioma caatinga com 6150 hectares preservados. Um hectare de caatinga captura por ano 50 toneladas de gás carbônico, totalizando 307.500 toneladas ano. No entorno da reserva vivem aproximadamente 21 mil pessoas que são beneficiadas com ações sociais. Temos também uma RPPN própria de aproximadamente 20ha na serra de Guaramiranga.

GJ: Quantos pontos de venda no Brasil?

LA: Temos 25 lojas de pronta-entrega para atender as consultoras, além da loja virtual.

GJ: Quais os projetos para o futuro?

LA: Abrir a loja virtual para o consumidor final, ampliar a abrangência da loja virtual para as consultoras (visando todo o território nacional) e, levar nossa experiência para outros países (já começamos em Portugal).

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Handara