Os dilemas da demanda por fibra de garrafa PET na moda

Roupas esportivas e confortáveis, com respirabilidade, estão em evidência. Se já estavam antes da pandemia, agora, momento que precisamos estar mais em casa, elas tomaram importância ainda maior. Combinado com as leis do fast fashion (padrão de fabricação e consumo baseado na velocidade) e do “público de massa ao invés dos princípios de classe” (produção menos personalizada), a demanda crescente pelas fibras de garrafa PET vem se estabelecendo pelo mundo. Esta, por sua vez, leva ao aumento da produção de lixo já que descartes são automaticamente gerados durante a produção da fibra.

Isso quer dizer que mesmo que se consuma a fibra de garrafa PET reciclada em roupas, não estamos impedindo que o plástico volte para o meio ambiente. A única forma de evitar esse retorno, ou protelar ele ao máximo, seria separando também os resíduos têxteis.

Por razões ecológicas e econômicas, a fibra de resíduos precisa ser corretamente processada e reutilizada, o que em alguns casos impõe mais desafios para as empresas que produzem as fibras. Muitos clientes, incluindo grandes fabricantes da China e Bielorrússia, vinham optando pelo uso de tecnologias e componentes chave com origem alemã, com a desenvolvedora de tecnologia Gneuss.

Com isso, eles estavam aptos a converter as linhas de fibra existente com baixos investimentos de custos já que todo o resíduo descartado poderia ser processado em fibras de alta qualidade.

Porém, nos últimos 20 anos, o total da produção têxtil dobrou de 2 mil para 2016, e o uso do poliéster nas roupas sozinho, passou de 8,3 para 21,3 milhões de toneladas em todo o mundo. Ao mesmo tempo em que esse uso aumentou de forma gigantesca, a busca das pessoas pelo abandono do uso do plástico tem se tornado mais enfática. Uma das reações globais dessa cenário, é o surgimento de diretrizes legais na União Europeia, com o propósito de eliminar o lixo plástico.

As diretrizes propõem que, além da variedade de separação de plástico, vidro, papel e metal, um sistema de coleta separado para os têxteis seja implementado em todos os países da união européia até 2025 para viabilizar uma reciclagem de alta qualidade.

Simultâneo a esta iniciativa, os fabricantes terão que atuar de forma cada vez mais responsável por meio da adoção das estratégias de proteção ao meio-ambiente presentes em um regulamento chamado EPR, a abreviação da expressão “Extended Producer Responsability“. Em tradução livre, seria um regulamento de “Responsabilidade Estendida ao Produtor“, que determina que a responsabilidade de cada produto fabricado vai além da venda ao consumidor, pois aborda o seu ciclo completo.

Com a tutela dos ingredientes de um produto indo além da venda, metas como design ecológico e acabamento eficiente passam a ser mais urgentes. Logo, tendem a ser alcançadas mais rapidamente. Além do potencial reciclável dos produtos, o uso dos materiais reciclados é uma forma de alcançar estas metas. Porém, é precisamente neste ponto que os problemas começam.

A demanda crescente por materiais reciclados nos têxteis requer uma disponibilidade suficiente e regular destes materiais. O que possui melhor disponibilidade no mercado são as garrafas PET das bebidas e refrigerantes, as quais são disponibilizadas em boa qualidade, devido aos sistemas de limpeza.

Contudo, o aumento do uso de PET, especialmente nas aplicações de embalagens e produções de fibras têxteis, tem se destacado com um grande aumento na demanda nos anos recentes. O que levou a um aumento do preço do material no mercado, fazendo com que outros materiais reciclados comecem a ganhar visibilidade e aplicação como alternativa.

Processos produtivos que foram previamente desenhados apenas para processar materiais virgens, e portanto alcançaram qualidade elevada e consistente sob condições conhecidas, estão agora fortemente perturbados ou interrompidos pela contaminação e forte flutuação da qualidade do material. Some-se nisso, um contexto onde a taxa de reciclagem é mais alta. Muitas propriedades mecânicas e tingimentos, ou mesmo exigências especiais como fibras mais finas não podem ser usados nas linhas de produção existentes.

Fabricantes da Alemanha vem se destacado pela criação de maquinas de alta performance no processamento dos componentes de garrafas PET. Uma dessas máquinas alemãs (MSR Extruder) possui alta performance nos processos de desgaseificação e descontaminação, além de possuir a capacidade de eliminar os óleos de fiação que estão presentes no material mas dificultam sua reciclagem.

Se por outro lado processos de reciclagem de materiais podem ser feitos, mesmo em qualidade mais baixa, por outro lado também podem ser capazes de gerar um produto de alta qualidade no acabamento e livre de impurezas. E no jeans, a inclusão desse ingrediente tem sido um diferencial.

Para as tecelagens, fica o alerta de que existem aprimoramentos nos equipamentos voltados para reciclagem, os quais podem elevar tanto o aproveitamento dos materiais, quanto o desempenho. Para o consumidor, fica também uma responsabilidade de descartar esses materiais da forma correta, e cobrar uma separação de lixo com qualidade melhor.

Para saber mais a forma correta de descartar embalagens plásticas, clique aqui.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução