Retrospectiva dos temas e tendências do ambiente global até a indústria nacional

Para auxiliar os leitores que atualmente estão produzindo coleções correspondentes à temporada de Inverno 2015, sintetizamos as principais informações e fisionomias da respectiva temporada, iniciando pelos temas do catwalk internacional, passando pela conversão brasileirinha destes mesmos desejos, até chegar na sua decodificação mais comercial através do fast-fashion global das interpretações “ready-to-do” do studio DNMILL. Neste sentido, aproveitamos para destacar o quanto a indústria nacional mostra desprendimento ao acompanhar os movimentos da moda, com plena independência quanto aos temas. Confira.



CATWALK GLOBAL



O Inverno 2015 começou como sua trajetória como um andarilho viajante, vestido de denim bruto da cabeça aos pés. O visual, fortemente focado na alfaiataria masculina, e devidamente agrupado no tema CLUMSY DENIM através de nossa análise, veio marcado pelo acabamento bruto, pela valorização da aparência natural do tecido, e pelo bom corte mesclando rigidez e desalinho. Nas passarelas globais, este estilo foi apresentado repleto de “falas” de status e ostentação e bastante propenso à vestir o público feminino mais maduro, com pantalonas, jaquetas básicas, vestidos e sobretudos salientando o blue denim com bordas desfiadas e cut-off. Em segundo lugar em termo de influência, a atemporalidade do jeans original renovou-se através das inspirações no trabalho e nas montanhas de malboro. Em MALBORO WORK tivemos a presença forte de peças utilitárias, do lifestyle relacionado à vida no rancho e do estilo cowboy, com bootcuts, estilo western, macacões estilo carpinteiro, cargos, e muitos bolsos funcionais. Por fim, os temas mais comerciais e jovens, contemplaram o mise en scène do rock e o romantismo do folclore decorativo atualizado pelo punk. Em ROCKER APPEAL, destacamos as calças ajustadas, o couro, o senso de velocidade do estilo biker aplicado com conotação de agressividade, e a fusão com o grunge. No contraponto, FOLCLORE & PUNK aliou os bordados inocentes do folclore alemão, e as estampas e babados relacionados à vida no campo, com o lado decorativo do repertório de efeitos típicos do punk. E nesse tema jovem e delicado, tivemos devorês, lavagens ácidas, visual destroyed, aliados à flores, galões decorativos, e bordados com jeitão hand made.



PASSARELAS DO BRASIL



Entrando em território nacional, os mesmos desejos adquiriram versões completamente autênticas influenciadas pelo lifestyle e pelo cenário exótico nacional. Assim, ao invés do andarilho viajante os designers nacionais focaram o desejo por aventuras em paisagens distantes e AMBIÊNCIAS REMOTAS, como borboletas que enfrentam desafiadoras jornadas de sobrevivência, texturas inspiradas nas geleiras da Islândia, e paisagens da Guatemala. Como diferencial descontraído ao tom compenetrado do visual worker, criadores nacionais acrescentaram bossa ao visual utilitário, através do aspecto artesanal, mix com referências do sporstwear, e a inspiração no trabalho de jardinagem, criando uma espécie de WORKER BRASILEIRINHO, mais leve, simpático e dotado de simplicidade. Já o rock, punk, estilo biker, foram agrupados nas passarelas nacionais pela afinidade, presença e influência da cultura global em seu sentido mais amplo, em nossa nação. Assim, ao admitir tal influência na sociedade brasileira, as coleções nacionais interpretaram desde guerra nas estrelas até o skate, basquete, até chegar na musicalidade e postura de ostentação do hip hop. Nesta CONEXÃO STREET GLOBAL, as marcas exploraram a fisionomia de armaduras aliadas ao estilo biker, vestimentas antigas, tops, croppeds, visual esportivo, vinil, e mix de peças ajustadas com volumes oversized.



FAST-FASHION INTERNACIONAL



Nas vitrines do fast-fashion internacional, os detalhes que demonstraram giro maior no varejo dividiram-se entre romantismo e sedução. De um lado, a delicadeza vendida no formato de peças com devorês intensos, destroyed, furos e buracos em lavagens ácidas, combinados à delicadas pedrarias termocolantes. Também neste lado estão as chinos, peças-chave que foram trabalhadas com mimos e enfeites, como peça desejo inocente da estação. Do lado oposto, a ênfase no visual sedutor do estilo biker, com muitos fechos, que também foram usados como artifício para elevar a leitura dos coloridos.



READY-TO-DO NACIONAL



Em território nacional os conjuntos formados por duas peças, especialmente nas versões jaqueta + saia, demonstraram ser um grande desejo coletivo com apelo comercial, devido à fácil coordenação dos ítens separados, e ao efeito total denim que permanece em alta no guarda-roupa pessoal. A idéia foi diversificanda em targets através da variação entre os estilos, como o biker com assimetrias e fechos, o setentista com corte estruturado e referência militar, a variação com saia evasé e bordados, entre outros. Linguagens com jeitão enfeitado foram enfatizadas no seu modo mais ágil para a indústria, como o matelassê intrínseco na própria construção do tecido, e as versões decorativas da flare.

VIVIAN DAVID / FOTOS DESFILE: STYLE.COM/FOTOS VITRINES: EQUIPE GUIAJEANSWEAR / CROQUIS: STUDIO DNMIL