Sentimentos culturais em tendências Outono-Inverno no Colombiamoda 2020

Para além dos lançamentos, uma das grandes atrações de qualquer evento de moda é também a oportunidade de desfrutar de uma agenda de palestras focada em experts e informações antecipadas do mercado. Felizmente, a situação atual gerada pela pandemia do novo coronavírus não tem prejudicado a qualidade destes conteúdos que estão sendo colocados online. Pelo contrário, tem inclusive motivado a busca por um garimpo de informações ainda mais relevantes e democratizado o acesso a tais conteúdos.

Foi o caso da edição online da Colombiamoda 2020. Reproduzindo o espaço dedicado à programação de apresentações que costuma ocorrer no Pabellón del Conocimiento, espaço próximo ao local onde geralmente ocorre a feira presencial, Ada Jolly, diretora de tendências e desenvolvimento do Fashion Snoops America Latina, apresentou a palestra “Sentimentos Culturais para Tendências de Outono-Inverno 2021/22”.

Abordando estilos de vida, valores e sentimentos coletivos; Ada apresentou os quatro temas norteadores para o design de moda que estão pulsando no comportamento do consumidor e que vão guiar as coleções da próxima temporada de frio.  São eles: Enmendar (Restaurar), Límite (Limiar), Maravilla (Maravilha) e Bondad (Bondade).

Confira a abaixo uma síntese inspiradora destes quatro temas:

Bondade

O caos e a instabilidade política gerados pela pandemia, assim como as catástrofes ambientais; estão criando cicatrizes no espirito do nosso tempo. Como reação emocional, os consumidores encontram esperança em crenças otimistas ligadas à bondade. Os sentidos se reconectam com o mundo baseando-se em laços fortes de apoio mútuo, e em ações amáveis de uma sociedade que busca ser melhor.

Entre os condutores que levam ao tema bondade, Adda citou a “Interdependência Radical”, reação coletiva de aceitação das diferenças; o “Reinício Cultural (reset) que é a tendência de ruptura de tabus e paradigmas limitantes de décadas anteriores; e “Conforto Familiar, que traz inspirações com referências quotidianas como forma de conforto.

No design este tema se traduz por uma simplicidade muito honesta, dada por silhuetas familiares e por uma ênfase muito forte no tátil e em produtos sensoriais. Os materiais são suaves, as formas harmoniosas, e as imagens encantadoras. A busca por satisfação vai estar nos detalhes.

A paleta de cores é sólida e sem estampas, e se destaca como sentimento mais representativo desse otimismo; enfatizando principalmente o verde menta (neon mint). Os tecidos vão girar em torno das formas arredondadas, polidas, peluciados e sem esquinas. O mix de Bondade é caracterizado pelo look retrô familiar, dotado de uma alegria completamente simples, em formas elegantes e maleáveis.

Maravilha

Maravilha ou assombro fala do impulso natural que todo o ser humano tem em se surpreender com toda a natureza, o cosmos e a biologia. É um tema que fala da curiosidade sobre as nossas origens somado a todos os avanços tecnológicos como realidade alterada, inteligência artificial. Buscamos nos reconectar com a natureza através de uma nova forma de apreciação e queremos seguir avançando com uma imaginação brutal.

O primeiro condutor deste tema é o “Ciber Escapismo”, que menciona a busca por novos mundos cibernéticos à parte da nossa realidade. Em segundo lugar temos a “Eco Tecnologia”, que é o estudo da ciência com tecnologia em prol da auto-sustentabilidade. Por fim, a “Hiper Curiosidade”, que resgata o interesse pela astrologia, pelo místico e pela vida extraterrestre. De todos esses elementos, teremos os egos digitais: novas personalidades formadas com muita imaginação graças às ferramentas digitais.

Também a biofilia, que é a criação de novos materiais, mais saudáveis, baseados em nossas fortalezas naturais.  Por fim, a magia e o misticismo – que traz referências como reiki e xamanismo, refletindo a busca por um significado espiritual.

O design deste tema une natureza e tecnologia. No visual, isso se traduz em texturas mescladas, padronagens de caleidoscópio, desenhos inesperados, e volumes que crescem e morrem como os ciclos naturais. Da natureza, teremos o mimetismo; da tecnologia, a ficção. Emergem também traços de eco-fantasia, que é a simulação do meio ambiente por meio das ferramentas digitais; ilusões renderizadas, que trazem um escape hiper-realista; e características de opulência absurda, onde o estilo rococó entra em choque com o visual psicodélico.

Os materiais vão explorar transparências, qualidades luminescentes, e proporções extra-grandes, em uma espécie de beleza decadente, um retorno exagerado ao formato clássico. Nas cores o moodboard gira em torno do violeta, devido ao sentido de transmutação espiritual atrelado ao tom. Mas no todo a cartela se expande para tonalidades mais vivas e variedades amplas. Aqui entram as fibras reutilizadas e os processos não químicos, fibras comprimidas, reaproveitamento de plástico, assim como as texturas nebulosas.

Limite

Limite encara os desafios, medos e incertezas atuais como oportunidade para crescimento e renascimento criativo. O design vai passar pelas lentes da funcionalidade e do desenho adaptativo. É o ponto crucial do desconforto que impulsiona e força a proatividade.

Os condutores do tema são a “Inteligência Ambiental”, onde o caos atual provoca uma espécie de “efeito placebo” aflorando nas pessoas uma capacidade enorme de restaurar e criar soluções ambientais para os problemas atuais. Também “Hiper Otimização”, que é a busca pela otimização da sabedoria antiga com a tecnologia. Por fim, a “Saída da Zona de Conforto” que funciona como um alerta de que situações cômodas não impulsionam a evolução.

O resultado destes conectores é um design mais voltado para inclusão de pessoas, ideias e tecnologias. Também a ruptura da visão de que criatividade é um estado mais elevado de espírito e sua definição mais voltada para o trabalho árduo. Os tecidos são funcionais, e cumprem a missão de preparar o consumidor para qualquer situação. Para tanto, temos composições duradouros,  “indestrutíveis”, e podem ter funções antibacterianas. No design, temos a zona de confronto onde o luxo toma sentido de opções de escolha.

O conforto é bruto e o design é pontual, discreto e segue um estilo essencial e adaptativo. No visual isso se converte em um formato independente e universal, capaz de vestir qualquer geração e publico. É uma espécie de uniforme para os consumidores, caracterizado pelo minimalismo. As cores são mais lúcidas, fluidas porém com um toque de brilho, sempre girando em torno de tons terrosos.

Restaurar

Restaurar traz a necessidade de reescrever todo o passado com diálogo e união. Entre os conectores deste tema temos a “Nova Moralidade”, que repensa paradigmas antigos com um senso de justiça maior. Também a “Declaração de Interdependência”, que fala da conexão entre as pessoas e comunidades. Por fim, a “Geração de Protesto”, que traz a necessidade dos protestos pacíficos.

O resultado destes fatores são novos valores, menos discriminatórios, permeados por um senso de inclusão muito mais proativo. O contexto é extremamente favorável para as marcas pequenas colaborarem com sua própria concorrência.  Na estética, o tema mescla a cultura nativa com o estilo clássico.

Desta mistura, o design trará produtos com simbologias, priorizará tecidos extravagantes e desenhos de estampas com visual irreverente. Nas formas, o corte será mais perfeccionista e meticuloso. As superfícies trarão elementos como brocados, sobreposições e refinamento nas costuras. A paleta de cores irá girar em torno do sentido de superioridade e riqueza dos tons dourados, para falar de legado, riqueza e refinamento. Nos materiais, destaque para misturas suntuosas de tecidos, como combinações de lã e seda.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução