Têxteis mineiras participam de desfile com Senai Modatec tendo algodão como foco

Durante a 25ª edição do Minas Trend, realizado entre os dias 22 e 25 de outubro, em Belo Horizonte, aconteceu o desfile do coletivo Passarela Têxtil, produzido pela estilista Amanda Leão e desenvolvido no Senai Modatec – Centro de Referência de Criação e Produção do Vestuário do Sistema FIEMG. Foram 30 looks elaborados a partir de tecidos de seis indústrias mineiras – Cataguases, Cedro Têxtil, Fabril Mascarenhas, São Joanense, Santanense e Tear Têxtil.

“O desfile Passarela Textil, foi algo inédito em todas as edições do Minas Trend. O propósito foi mostrar como a união do setor têxtil com toda a cadeia produtiva da moda é capaz de transformar e trazer novos direcionamentos para se tecer o futuro. O uso do algodão, matéria prima de destaque na coleção, enfatiza a sua importância e versatilidade nos possibilitando criar peças inovadoras”, afirma a estilista Amanda Leão.

A coleção mostrou uma identidade singular ao brincar com cores -sendo predominante o azul, verde oliva, vermelho e off white -, texturas, bordados e sobreposições. O uso da chita e do jeans provocaram a atenção do público em peças de corte sofisticado para diferentes ocasiões.

Além de itens de vestuário, o desfile contou com bolsas, acessórios e calçados que compõem as criações. “Cada empresa tinha sua particularidade, apresentamos desde peças fluidas, com caimento, até peças estruturadas e modeladas ao corpo. Looks que transitam da alfaiataria a festa passando pelo casual e pelo streetwear. Sempre com elementos que trazem unicidade para a coleção ‘Sonhos que podemos ter'”, afirma Amanda Leão.

Sustentabilidade na moda

O Passarela Têxtil também levou ao desfile a sustentabilidade. Resíduos da produção ganharam novos significados e aplicações na coleção. Já alguns looks foram pensados a partir do conceito de customização, permitindo novas formas e funções em uma única peça, que amplia as oportunidades de uso.

Os convidados puderam conferir no evento os looks desfilados de cada tecelagem, em um cenário que incluía vários fardos de algodão em um lindo showroom. Os alunos do Senai Modatec souberam valorizar os tecidos com lavagens e modelagens diferenciadas, bordados inusitados em construções inovadoras.

Os looks com produtos da Tear Têxtil trouxeram vazados, tramas, desfiados e faixas de denim entrelaçadas em lindos vestidos longos. O brilho e o camuflado também se unem no trench coat. Com tecidos da Cedro foram trabalhadas estampas florais com miçangas e brilhos, modelagens amplas com pregas e peças inacabadas com fios soltos. Já os artigos da Santanense exaltaram a alfaiataria com pinceladas de azuis, peças utilitárias e tons terrosos juntamente com estampas.

“A Santanense procurou valorizar o algodão dentro de uma proposta com peças multiusos, trazendo a funcionalidade, possibilidade de usar uma roupa durante o dia e ter uma outra aparência para a noite, em modelos glamorosos. Associamos esses elementos, essas diferenciações, a questão do brilho e do bordado também, conferindo um conceito mais elaborado, requintado para o algodão que pode ser usado no dia a dia”, afirmou Eleonora França, gerente de marketing.

“Seguimos ainda na pegada do natural, para as pessoas enxergarem que partimos do algodão cru. As peças estão bem interessantes como o trench coat com uma parte que destaque que pode virar uma capa ou uma jaqueta”, conclui Eleonora.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Divulgação