Dior Homme olha para a vida pessoal de Christian Dior para criar Verão 2015

É verdade que Christian Dior adorava a noite parisiense, porém ele gostava muito da natureza e especificamente do mar, onde costumava ir para relaxar e se desconectar da vida acelerada da cidade. Foi do homem náutico, que vive no barco, que Kris Van Assche, atual responsável pela Dior Homme, tirou os azuis profundos, as parkas, o amarelo pescador e as listras náuticas.


Outro ponto que fez parte da mistura de referências dessa coleção masculina da Dior foi boêmio versus burguês que, na passarela, foi apresentado através da forma desconstruída representando o boêmio e da alfaiataria bem trabalhada representando o burguês. O jeans entrou nesse contraponto no look total blue denim apresentado de forma despojada e, logo em seguida, no look white denim, muito bem construído com técnicas de alfaiate.


Looks que misturavam peças de alfaiataria com peças despojadas e náuticas, como as camisetas listradas e o jeans largado pareado a calças bem construídas e casacos alinhados, também representaram com destreza a questão boêmio versus burguês. Com mãos dentro dos bolsos, os modelos caminharam na passarela de forma relaxada. Van Assche tinha o tema “deixe estar” em mente.


E se você está se perguntando sobre o print que apareceu em vários momentos do desfile, era uma citação de uma carta de Christian Dior achada por Kris Van Assche nos arquivos da marca que dizia: “Traditions have to be maintained. In troubled times like ours, we must maintain these traditions, which are our luxury and the flower of our civilization” (em português: “tradições devem ser mantidas. Em tempos turbulentos como os nossos, nós devemos manter essas tradições, que são nosso luxo e a flor da nossa civilização” – se referindo provavelmente aos seus escapes para o mar e seu amor pela natureza).