Junya Watanabe ressalta o índigo, o boro e o patchwork japonês

O designer Junya Watanabe sempre olhou para o workwear europeu ao criar suas coleções, o que acabou se tornando uma marca registrada ao longo dos anos. Porém, para o verão 2015, Watanabe resolveu olhar para outro lado do mundo e seu país de origem, o Japão, mas sem deixar de lado o homem trabalhador. O índigo, o boro e o patchwork, todos tradicionais da indumentária japonesa ganharam vez nas passarelas parisienses, resultando em uma das coleções mais bonitas e inspiradoras vistas até agora.


Os blazers, jaquetas e calças construídas em patchs por vezes ganharam a inserção de outras temáticas tradicionais japonesas como as camélias, as ondas e listras. Camisetas e camisas também foram muito bem trabalhadas, e as calças em denim com shapes largos e comprimento cropped foram intercaladas com peças de alfaiataria e com a calça de moletom, a sweatpant, vista em várias coleções nessa temporada.