Brasil é o 7º país mais caro para comprar roupas da Zara no mundo

Em novo Índice Zara do Banco BTG Pactual, que compara os preços das roupas comercializadas pela rede varejista em diferentes partes do mundo, o Brasil apareceu como 7º país mais caro para comprar roupas da marca no mundo. Na lista, as lojas no território nacional só ficaram atrás da África do Sul, Rússia, Índia, Turquia, Tailândia e Vietnã neste quesito.

O levantamento comparou uma cesta de 12 produtos em 50 países, levando em consideração a paridade do poder de compra (PPP na sigla em inglês). Com isto, os preços praticados por aqui foram 132% mais caros do que nos EUA em 2020.

A desvalorização do real foi apontada como um dos fatores para esta diferença nos preços pelos analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi, que ressaltaram que a moeda brasileira foi a que mais perdeu valor em relação ao dólar em 2020 – comparado com as outras 50 nações do Índice.

Em janeiro de 2020, quando o Índice teve início, o real depreciou 24% devido à “turbulência resultante da covid-19 e da aversão ao risco global”.

“Poucos setores foram mais afetados pela Covid-19 do que o varejo. Redes de grandes marcas, como J Crew, Brooks Brothers e Lord & Taylor, entraram com pedido de falência. Na era do trabalho em casa, as pessoas ainda compram coisas — computadores e equipamentos para home office — mas as roupas simplesmente não são mais as prioridades”, afirmaram Guanais e Savi.

“O caminho para a recuperação envolverá cada vez mais esforços coletivos por critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês). Isso terá implicações importantes para a alocação de capital em ESG por players de vestuário e calçados em todo o mundo (uma das indústrias de maior impacto ambiental), e no Brasil as empresas não estão imunes“, completaram os analistas.

A consultoria McKinsey avalia que os lucros da indústria da moda global caíram 93% em 2020.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução