Grafeno e sustentabilidade protagonizam Kingpins24 Amsterdam online

Na indústria denim global, comunicação, conexão e inovação não podem ser canceladas. Este foi o chamado e a justificativa que inspiraram a realização da Kingpins24, realizada em um formato completamente online como alternativa resiliente frente ao contexto de isolamento social mundialmente imposto pela pandemia do Covid-19, o novo coronavírus.

O evento teve início, que teve início nesta terça-feira, contou com uma programação intensa e procurou repor a experiência de caminhar, tocar e conhecer produtos e negócios baseando-se na mesma ferramenta que tem sustentado o varejo mundialmente, as transmissões via live stream. Foram cerca de 135 transmissões de expositores, agrupando nomes como a brasileira Vicunha Têxtil, AGI Denim, Bossa, Cadica Group, Calika Denim, DDI Denim DeL’ile, Garmon Kemin Group, Iskur Denim, Jeanologia, Prosperity Textile, Hyosung, Naveena Denim Mills e Tejidos Royo.

Em meio aos anúncios de tecelagens, desenvolvedores de produtos químicos, lavanderias e webinars, empresários e fundadores das companhias presentes apresentaram seus produtos como se estivessem atendendo pessoalmente a audiência. Manuseando suas cartelas de tecidos com o objetivo de transmitir a experiência do toque junto aos detalhes de composição, os “apresentadores” de cada marca também compartilharam com a audiência as inspirações que vão influenciar a lavagem e o estilo do jeans no Inverno 2021 internacional (equivalente a  temporada 2022 nacional), e que logo definiram suas cartelas de lançamentos.

Importante destacar que a ideia de “peneirar” uma curadoria de expositores fundamentada em sustentabilidade, para além de ser mantida foi acelerada. Na transmissão dos participantes, o tópico foi abordado e tratado como um argumento urgente e definitivo para os negócios, chegando a dispensar conceitos estéticos. Da mesma forma, a transparência e o modo como os produtos são fabricados roubaram o espaço antes reservado aos discursos inspiracionais.

“Os cientistas mostraram que o vírus se espalha mais rápido nas áreas com mais poluição, é onde ele é mais agressivo”, justificou Piero Turk, especialista em denim e designer chefe da tecelagem Bossa. “Tudo está conectado: proteger o planeta é mais importante do que tudo agora, por isso é necessário focar o modo produtivo dos nossos negócios”, defende.

A missão de colocar em evidência alguma mistura nova para a composição do denim mundial, como já ocorreu nas edições anteriores em que o algodão orgânico, as fibras de garrafa PET recicladas e o cânhamo protagonizaram, não foi impedida pela versão digital. O ingrediente chamariz desta edição foi o grafeno, que já havia sido citado também na Texworld como mais novo ingrediente revolucionário, pela leveza, resistência, capacidade de filtrar o ambiente externo e atuação antibacteriana.

Além dele, composições biodegradáveis, fibras recicladas, e elastanos superiores foram mencionados em diversas variedades de tecidos jeanswear. Na cartela de cores, a oferta se dividiu entre o black denim, o mix de coloridos e os azuis clássicos – com alguns respiros de construções decorativas como Jacquard.

A Vicunha Têxtil contextualizou a grandiosidade da companhia, sua presença forte na América Latina e visão em aderir às iniciativas sustentáveis antes mesmo delas se tornarem macrotendências mundiais. Destacou ainda a característica sustentável do algodão brasileiro, que sozinho representa 30% da produção licenciada pela BCI (Better Cotton Initiative) e se diferencia por usar água da chuva.

Ainda no quesito sustentabilidade, a tecelagem mencionou a recente adesão ao “Water Footprint Project”, em parceria com o evento ECOERA, que tem por objetivo mensurar o uso de água no ciclo de vida completo do jeans. Além disso, exaltando sua confiabilidade, destacou a velocidade na entrega dos pedidos e qualidade de produtos. A variedade de denim ofertado teve as misturas algodão e elastano, algodão e elastomultiéster (T400) como destaque.

Já a Bossa apresentou a linha Golden Age, inspirada no na estética tradicional do denim, apostando no visual rígido como aparência chave para qualquer look inovador. Na cartela de cores, destacou o black jeanswear em composições mesclando o algodão com o poliéster e grafeno. Já o grupo de coloridos foi apresentado como uma aposta para se apaixonar, contemplando tons castanhos e principalmente brancos encardidos como uma tendência forte para comunicar limpeza e transmitir a sensação de segurança com a vida.

Endossando seu engajamento com sustentabilidade, a companhia também exaltou a parceria com a Fibertrace, o sistema que usa nanotecnologia patenteada para rastrear toda a trajetória dos materiais na cadeia produtiva, por meio de scanners – leitores que podem ser conectados por bluetooth. Explicando como funciona, os pigmentos do fio refletem um QR CODE com a luz, os quais são lidos pelo aparelho. Assim, por meio das fibras os tecidos levam um código que pode ser lido para contar sua história, ao longo da sua vida. De acordo com a apresentação da companhia, toda a história do produto pode ser dita para a cadeia, até mesmo o nível de emissão de gás carbônico pode ser medido.

A Prosperity Textile apresentou a coleção Neo Vintage, fundamentada no look autentico e feita com fios reciclados. Apresentou dois tingimentos sustentáveis, o 3D Dying que enfatiza contrastes e economiza 10% de água, e o Revelation Blue, que minimiza o impacto na etapa do acabamento. A companhia também destacou as composições alternativas como o bi-componente de poliéster que pode ser reciclado, combinado ao elastano biodegradável.

DDI – Denim De L’lle, a companhia com sede em Mauritius com produção verticalizada, destacou suas qualidades sustentáveis, usando uma apresentação de telas para contar sua historia. Entre as condutas mais exaltadas, destacou o uso de 60% de algodão sustentável, a participação como membro da BCI (Better Cotton Iniciativa) e a meta de alcançar 100% de sustentabilidade até o ano de 2025.

Ainda de acordo com a companhia, 80% da sua produção é reciclada e o modelo de economia circular integra o formato dos seus negócios. Ao longo da apresentação, a companhia declarou usar 100% de índigo pre-reduzido, ter eliminado por completo o uso do permanganato de potássio, atender estritamente ao regulamento ZDHC e priorizar as tecnologias de lavagem que seguem a premissa “Less is More” como o ozônio e laser.

Baseada em Taiwan, a A&A Textile focou suas composições com tencel, estampados, denim em construção matelassê, jacquard com trabalhos metalizados e visual de couro e encerrou mostrando alguns dos produtos mais vendidos.

A chinesa Advance Denim apresentou o Bigbox Dyieng. De acordo com a companhia, o formato do tingimento sustentável reduz os banhos de índigo de nove a treze para apenas um, recicla 100% da água e emite 30% menos de carbono.

O acabamento obtido, varia do azul médio ao vintage. Ainda no mix de produtos a companhia apresentou a variedade 100% fit, uma seleção de tecidos com alta performance de retorno e elasticidade superior, pensada para o estilo de vida ativo. O grafeno também foi mencionado, através do produto Kyorene, uma variedade de denim leve e extremamente resistente, com ação antibacteriana e que varia dos tons claros aos escuros.

As tendências sinalizadas para inverno evidenciaram o cenário disruptivo em que vivemos. Eco Active baseou-se na inventividade movida pela escassez, sugerindo tecidos com leitura clássica, propondo o conforto de modelos relaxados com jeitão informal. Composition sinalizou misturas mais refinadas e construídas para valorizar a experiência de durabilidade e conforto das roupas, adotando uma leitura essencial e urbana, com visual atemporal. Já Re-Works of Art explorou as superfícies artesanais, a nostalgia dos anos 90 e os coloridos.

As transmissões de live stream veiculadas na programação gratuita, estão disponíveis no Youtube e podem ser assistidas na íntegra a qualquer tempo no site da Kingpins24. Basta acessar o endereço kingpinsshow.com, clicar na aba on-demand content e seguir a ordem alfabética dos expositores.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução