Grupo de investidores brasileiros assume a Santista Jeanswear

No último dia 4 de dezembro, a GBPK Holdings, grupo de 21 investidores brasileiros, concluiu a aquisição da Santista Têxtil, que pertencia ao grupo mexicano Siete Leguas. A tecelagem acumula 91 anos de história, atuando tanto no Brasil como na Argentina.

A Santista conta com duas unidades de negócio: Jeanswear, dedicada à produção de tecidos para a confecção de jeans, e Workwear, voltada para a produção de tecidos para roupas profissionais. Ambas estão englobadas no plano de aquisição. Além disso, segundo noticiado pelo La Nación, o acordo inclui a transferência de 100% do pacote de ações e suas marcas Ombu, Grafa, Grafa70 e o sistema de Garantia Total.

Gilberto Stocche, CEO da Santista Têxtil há quatro anos, está entre os investidores da GBPK Holding e permanece como presidente da empresa. De acordo com o executivo, a decisão do grupo pela compra foi norteada por acreditarem na recuperação da indústria nacional e, também, no potencial de crescimento da empresa.

“A Santista Têxtil tem uma marca consolidada, perfil inovador e é uma das responsáveis pelo crescimento do setor têxtil no Brasil. Com a aquisição, temos como objetivo desalavancar a companhia, trabalhar na sua modernização e no aumento da produtividade”, afirmou Stocche.

Em 2019, um ano de transição para a companhia por ser subsequente à compra pelo grupo Siete Leguas, o faturamento da Santista Têxtil foi de 663 milhões de reais. Os dois primeiros meses de 2020 foram positivos para o grupo Santista, sendo que os resultados tiveram alta em comparação com o mesmo período de pelo menos cinco anos anteriores e cerca de 20% acima do objetivo para 2020. Mas, como todo o mercado, a empresa sofreu o impacto da pandemia, principalmente entre março e junho.

Porém, contando com o apoio dos colaboradores e da Consultoria Falconi, a empresa conseguiu otimizar a gestão por meio de diferentes medidas, como administração do caixa, renegociação de dívidas, venda de maquinário antigo e melhora da performance. Com isso, atualmente a companhia passa por um momento de forte retomada, refletindo em um segundo semestre de melhor resultado, com destaque para a Argentina.

Além de dar sequência ao plano de modernização e produtividade da Santista Têxtil, a GBPK Holdings vislumbra aumentar ainda mais o volume de exportação. “O acordo comercial de livre comércio firmado entre Mercosul e União Europeia, que eliminará as tarifas de importação para mais de 90% dos produtos comercializados entre os dois blocos, possibilitará diversas oportunidades nesse sentido”, disse.

O executivo ainda reforçou que a GBPK Holdings manterá ativo o perfil inovador da empresa. A companhia foi a primeira a produzir e comercializar um tecido que inativa o coronavírus, por exemplo. Lançado há três meses, o produto foi testado e comprovado pela Universidade de São Paulo (USP). “A inovação está no nosso DNA, é a nossa marca, sempre valorizaremos essas ações”, afirma.

E, por fim, Stocche também ressaltou a importância de continuar investindo em sustentabilidade. “A Santista Têxtil atua de forma sustentável desde 1980, quando o tema ainda não era tão discutido. Temos uma série de práticas nesse sentido, como a reciclagem de resíduos e a nossa atuação com Biomassa. E continuaremos investindo nesse setor”, finalizou.

Fonte: Abit | Foto: Reprodução