Inovação no segmento jeanswear é tema na Denim City SP

O segundo dia de palestras durante a programação da Denim City foi marcado por conteúdos relevantes e inspiradores para o setor do denim. Logo na parte da manhã, a jornalista Lilian Pacce comandou uma roda de entrevistas sobre o tema “Inovação”.

Nela, estiveram presentes Fábio Covolan, diretor de marketing da Canatiba Denim Industry, Silvana Eva, diretora de marketing da The Lycra Company, Juliana Gama, superintendente do Mega Polo Moda, Antônio Henrique Martins, diretor comercial da Nicoletti Têxtil, Cristiano Buerger, fundador e diretor de produto e marketing da Tecnoblu, e Maria José Orione, diretora acadêmica da Denim City SP.

A palavra inovação vem permeando o mundo atual, onde consumidores estão cada vez mais atentos às empresas e suas ações, incluindo aí a responsabilidade social e ambiental. Nesse contexto, Lilian Pacce perguntou aos convidados qual a importância e o que as empresas estão realizando.

Para Fábio Covolan, a inovação faz parte do DNA da Canatiba há bastante tempo. Sempre em busca de novas tecnologias, capacitação da equipe e foco na sustentabilidade, que ele acredita que é uma tendência, mas precisa ser verdadeiro, como a têxtil que trabalha na reutilização de insumos, na escolha de fornecedores de primeira linha que trazem junto com seus produtos muito conhecimento. E a cadeia vem exigindo tudo isso.

“Às vezes as pessoas procuram certificados, insumos, não porque estão preocupados com o meio ambiente ou com as coisas bem-feitas, mas sim com o respaldo jurídico”, afirma Fábio Covolan.

A pandemia trouxe para o profissional a descoberta das reuniões online que aproximaram ainda mais a equipe, na troca de ideias e experiências.

Silvana Eva conta que a Lycra® foi pioneira ao criar o primeiro fio de elastano do mundo. E seguindo sempre com inovações e diferentes tecnologias, a empresa realiza constantemente pesquisas com os consumidores para conhecer o que procuram, para entender suas necessidades. O último lançamento foi o fio Lycra® Ecomade, fabricado com 20% de material reciclado pré-consumo – sobras de produtos coletados nos locais de fabricação e misturadas com o fio virgem.

“A inovação começa no fio que precisa ser diferenciado para ter um tecido diferenciado e uma peça diferenciada”, comenta Silvana.

Silvana Eva, The Lycra Company

Segundo Juliana Gama, o Mega Polo Moda há 15 anos atrás, foi um projeto inovador quando foi inaugurado e estabeleceu um novo modelo de negócio no mercado e um novo jeito de fazer compras por atacado. “Inovação é pauta sempre, mas por sermos prestadores de serviço, inovação para gente é sinônimo de pessoas. Então observamos nossos clientes para a melhoria no atendimento”, apontou.

E continua: “Toda vez que surge uma ideia, uma proposta diferente, a gente se questiona se aquilo está trazendo ou trará facilidades, novas dinâmicas e conhecimento para o nosso ecossistema. Porque inovação tem que funcionar, não é invenção, tem que estar a serviço do nosso negócio, da nossa relação com o cliente, da nossa proposta no mercado. E, muitas vezes, percebemos que a inovação mais impactante é só uma mudança de percepção e trocar a lente. Às vezes não precisa inventar”.

Juliana ainda ressaltou a importância da tecnologia como meio de inovar. Recentemente, o Mega Polo instalou câmeras que reconhecem o caminho que o cliente percorre durante sua permanência no local e juntamente com o histórico de compras dele é possível personalizar ofertas, melhorando a jornada dele além de otimizar o tempo.

“Geramos uma facilidade, uma conveniência para o cliente para ajudar também a realizar a compra certa”, disse Juliana Gama. Além disso, o shopping de atacado, automatizou seu atendimento e lançou durante a pandemia, o seu marketplace, facilitando as compras também pelo site.

Antônio Henrique Martins abordou o projeto de reposicionamento de mercado como o investimento na Casa de Criadores, na busca de novos talentos e também no potencial da Denim City SP, além de investimentos em maquinários, profissionais e na sustentabilidade, que para ele, é um caminho sem volta, com a economia de água e menor quantidade de químicos.

“Devemos exercitar a inovação todos os dias e não somente falando, mas sim fazendo realmente”, afirma Antônio que se familiarizou com as vendas online durante a pandemia, descobrindo sua funcionalidade tanto para compras quanto para alavancar as vendas das empresas.

Para Cristiano Buerger, a maior inovação nesse momento é a criação da Denim City SP, reunindo concorrentes em um só lugar, compartilhando conteúdo e experiências. “A atuação em plataformas colaborativas é a maior inovação que podemos ter. Não acredito em empresa que pense e aja de forma individual, por maior que ela seja. A gente atuando de forma colaborativa tem muito mais força”, comenta.

“A Denim City traz como obrigação para o Brasil ser daqui cinco ou dez anos, o país do jeans mais sustentável e mais bacana do mundo. A gente tem tudo na mão, só depende de estarmos juntos”, completou Cristiano.

Falando sobre a Tecnoblu que está no mercado há 26 anos, é a única empresa no mundo que fornece todo o ID da marca, em uma cocriação com o cliente, solucionando tudo em um mesmo lugar. Cris acredita que todos os canais de comunicação humanizaram o mercado no acesso à fornecedores, empresas próximas, diversificando o segmento.

Segundo Maria José Orione, a Denim City SP é um passo inovador dentro do segmento jeanswear, estando apoiado na sustentabilidade e conexão. “A inovação precisar estar no modo de pensar, de estar aberto para ouvir os jovens, esse novo mindset”, afirmou.

A diretora também apontou que a Denim City Academy é o pilar principal do projeto, e veio para trazer um novo olhar para o mercado. Isto porque as universidades não conseguem responder às necessidades atuais relacionadas ao denim. “Nós viemos para ocupar essa lacuna e trazer esse conhecimento necessário. E mais importante ainda é esse olhar para o futuro, para a conexão das pessoas, discutindo o setor, ajudando um ao outro”, comentou.

“Juntos, vamos resolver os problemas e entender o que falta nessa cadeia. Vamos provocar as pessoas para buscar o seu melhor […] Nós ficamos tão presos no dia a dia que não temos tempo para o que realmente é importante. A inovação deve estar permeada pela empresa, ela tem que estar no mindset da direção, mas também no chão de fábrica”, acrescentou Maria José.

Na vida pessoal, Maria José destaca o WhatsApp como uma grande inovação na forma de se trabalhar.

Para Lilian Pacce a moda tem vivido um processo de questionamentos e mudanças importantes e, a Denim City veio para colocar todos pensando juntos, valorizando o produto nacional.

Confira o bate-papo na íntegra:

 

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Reprodução