Instituto Lojas Renner leva programa de capacitação de mulheres refugiadas a Rio de Janeiro e Belo Horizonte

Quando falamos sobre moda, é inevitável pensarmos nos grandes desfiles, tendências e peças cheias de estilo, com uma áurea de glamour que o mundo fashion carrega consigo. No entanto, a moda vai além disso tudo e é um movimento social. E movimentos sociais podem – e devem – causar impactos positivos. Por isso, iniciativas como o Instituto Lojas Renner se tornam cada vez mais comuns e fundamentais.

Desde a sua fundação, em 2008, o instituto já investiu mais de R$48 milhões, oriundos das verbas repassadas pela varejista e também provenientes de leis de incentivo fiscal. Os recursos possibilitaram o apoio a cerca de 750 projetos espalhados pelo país, beneficiando 182 mil pessoas. Somente em 2017, foram investidos em mais de 50 projetos que beneficiaram 12 mil pessoas. Um desses projetos é o “Empoderando Refugiadas”, realizado desde 2016 em São Paulo.

A novidade é que o braço social da maior varejista de moda do Brasil ampliou o seu programa para outras duas cidades: Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O objetivo é promover a qualificação destas mulheres no setor têxtil e, dessa forma, contribuir para a entrada delas no mercado de trabalho.

O Rio de Janeiro acaba de receber a sua primeira turma do curso de Atendimento e Vendas no Varejo. Ao longo de seis semanas, 41 participantes vindas da Venezuela, Colômbia, Angola e República Democrática do Congo, tiveram 175 horas de aula. A cerimônia de formatura acontece hoje, dia 20 de setembro.

Assim como em São Paulo, o curso no Rio foi viabilizado pela participação de parceiros importantes do Instituto Lojas Renner: a Paróquia São José da Lagoa recebeu as alunas e sediou as aulas, enquanto o Instituto Aliança foi responsável pela metodologia de ensino. Já a Cáritas e a organização Aldeias Infantis SOS, além de identificarem as refugiadas interessadas, acompanharam sua trajetória.

O curso voltado ao varejo contempla temas como, por exemplo, apresentação e reposição de produtos, contato com clientes e informação de preços e formas de pagamento. As alunas também recebem orientações sobre informática, empreendedorismo, saúde e segurança no trabalho. Além do desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais, a formação oportuniza o contato com gerentes da Renner, da Camicado e da Youcom, assim como visitas às lojas para que conheçam como funciona a rotina do varejo brasileiro.

No dia 1º de outubro será a vez de Belo Horizonte iniciar sua primeira turma do curso de Atendimento e Vendas no Varejo, que terá cerca de 40 alunas e carga horária de 175 horas.

O programa Empoderando Refugiadas começou em 2016, após o Instituto Lojas Renner ser convidado a participar do projeto pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global, em parceria com o Programa de Apoio para a Recolocação de Refugiados (PARR). Desde então, os cursos de Atendimento e Vendas para o Varejo e de Modelagem e Costura atenderam, juntos, a uma média de 60 alunas por ano em São Paulo. Com a ampliação a outras localidades, a perspectiva é beneficiar um maior número de alunas de diferentes países.

O foco do Empoderando Refugiadas é oferecer qualificação profissional e contribuir para a inserção social e o empoderamento das mulheres. Ao longo da história do programa, muitas se colocaram no mercado de trabalho. A própria Lojas Renner já efetivou a contratação de mais de 20 participantes nas empresas do grupo – Renner, Camicado e Youcom.

Fonte: Redação | Fotos: Reprodução