Milão traz uma divisão mais equalitária de fits e temas

Anos 90, preepy, color blocked, e atualizações para o desenho utilitário dos clássicos do denim. Se Milão trouxe um diferencial na sua visão do Verão 2018 masculino internacional; sem dúvida, foi o contraponto maior entre os os estilos dedicados ao gênero.



A influência do streetwear; com seus volumes amplos, silhuetas quadradas, fits fashionistas e comprimentos cropped se confirmaram – vide Dsquared2, Versace, Andrea Pompilio e Missioni. No entanto, coexistiram nas passarelas também os cortes sequinhos do jeans – no caimento das skinnies e retas – modelagens que não negaram a associação com tons vibrantes de vermelho, mostarda e laranja. Tampouco renunciaram ao diálogo com o sneaker – agregando à temporada opções formais dentro de uma linguagem jeanswear muito trabalhada. Kiton, Dondup e Tom Ford são alguns exemplos.



As releituras do estilo preepy, mesclaram fits ultrapassados à camisetas com jeitão de garimpo de brechó e tênis. Mas também incluíram as skinnies e retas sem perder o alinhamento. Neste tópico forte, o jeans branco, o vintage justo e trabalhado, o delavé clarinho, o grafite com pontos de luz e os coloridos macios se destacaram. Já nos volumes urbanos, a cartela trouxe o dry indigo, os azuis macios, e o black denim – em versões mais trabalhadas por patches, respingos de tinta, efeitos espatulados, manchas e rasgos.



Muitas confirmações já se legitimaram em Milão: como o jeans em diversas lavagens e shapes, alterado por listras vibrantes e esportivas na lateral. Também a silhueta cropped unindo bermuda à jaqueta utilitária. O look double delavé e as produções formatadas em camadas de tons pastel. A leitura desejo da calça branca com o blazer em tom vibrante. E na variedade de shapes; além das croppeds com entrepernas tubulares, tivemos mais skinnies, e novamente a ênfase no desenho retrô do jeans com corte afunilado e barrinha turn-up.

VIVIAN DAVID | FOTOS: REPRODUÇÃO