Moda masculina vem crescendo de maneira exponencial no mundo todo

Dois anos após lançar sua semana de moda dedicada exclusivamente ao mercado masculino, chegou a vez do British Fashion Council anunciar um dia a mais no calendário oficial do evento de menswear. Agora a semana de moda masculina de Londres passa de três dias de duração para quatro dias. A temporada de Inverno 2015 já tem data marcada, e acontecerá do dia 09 a 12 de Janeiro de 2015, acabando um dia antes do começo da semana de moda masculina italiana que acontece na Pitti Uomo, a partir do dia 13.


Em 2012, quando Londres apostou em uma semana de moda inteiramente dedica às tendências de menswear, a parcela de consumidores do sexo masculino estava crescendo de maneira expoente, representando importante fatia nas vendas do segmento de luxo e moda de forma mundial. Esse um dia a mais no calendário da semana londrina, assim como a crescente importância da Pitti Uomo (a qual estaremos cobrindo em Janeiro para o Guia de Tendências) entre as principais feiras de moda mundiais, vem para reafirmar o poder do mercado consumidor masculino.


No Brasil, a consultoria britânica MarketLine indica que até 2017 o segmento de moda masculina movimente US$ 23,6 bilhões no país. O crescimento nos últimos anos é contínuo. Parceiro da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) em estudos setoriais, o IEMI — Inteligência de Mercado revela que o varejo de moda masculina cresceu 44,4% nos cinco anos entre 2007 e 2012, chegando a R$ 47 bilhões no último ano de estudo.


O Sebrae destacou em seu boletim do Perfil do Consumo de Moda no Brasil das Classes C e D que entre 2002 e 2012 o gasto da classe C com produtos de moda cresceu 153%, saltando de R$ 22 bilhões para R$ 55,7 bilhões, valor 5x superior ao gasto somado das classes A e B, que soma R$ 10 bilhões. A parcela masculina representa 44% da classe C, dentro os quais 54% afirmam ter interesse por moda e 61% possuem vontade de ter roupas de marcas resconhecidas.


Já nos Estados Unidos, a Levi’s, líder do mercado jeasnwear, também destaca a importância da parcela de consumidores homens para o desempenho positivo da empresa, principalmente numa fase em que o jeans não está sendo tão atraente para o público feminino americano: “A moda masculina, para nós, é um negócio forte e saudável. Estamos pegando cada vez mais participação nesse mercado”, afirmou Chip Bergh, presidente e chefe executivo do escritório da Levi’s, ao WWD.

MARINA COLERATO | FOTO: REPRODUÇÃO