O mix apresentado pelas tecelagens nacionais durante a Colombiatex 2019

Durante a 31ª edição da Colombiatex os compradores da América Latina buscaram por insumos solares, expansivos e amorosos para vestir consumidores desses perfis. Estes gostos e preferências são muito similares aos nacionais, e por isso as tecelagens que representam o Brasil vislumbram no evento um espaço real de visibilidade, e oportunidade de negócios. Compradores Equatorianos, Bolivianos, Peruanos, México, Guatemala, Costa Rica buscaram em nossos tecidos qualidade, e não preço. Elastano superior, fibra, toque, selos que atestam procedência sustentável, produtos com longevidade e multifuncionais, foram os mais procurados.

E o mais bacana é deixar o relato de que tanto entre compradores quanto imprensa internacional a visão dos produtos made in Brasil foi sempre mencionada durante o evento, associada à percepção de qualidade. E os expositores do nosso país, por sua vez, retribuem a boa impressão definindo a feira e as marcas latinas que buscaram seus produtos, como detentoras de um perfil extremamente sério e profissional.

Como a feira destacou a importância de conectar saberes para agregar valor ao longo da cadeia produtiva, e assim acertar o desejo do consumidor final, as tecelagens montaram espaços de exposição cada vez mais parecidos com marcas. Repletos de estilos prontos, os stands lembraram marcas desejo, proporcionando elos de comunicação entre tecelagens e compradores no idioma que é o desejo do consumidor final. Por isso, nossa síntese do que os fabricantes brasileiros apresentaram sublinha os artigos que mais tiveram pedidos, já que atuam no país como distribuidores, mas também menciona um pouco dos estilos eleitos para apresentá-los, considerando que os mesmos representam demandas reais e direcionais.

CANATIBA

Entre modelos de flare listrados estilo festival, pantalonas em riscas de giz e índigos trabalhados; a tecelagem levou pela primeira vez para o evento a linha denim voltada para alfaiataria, caracterizada por pesos leves de 8 a 9 onças, com misturas com modal, viscose e tencel. Uma aposta, que de acordo com Fábio Augusto, teve boa aceitação. Além disso, a companhia expôs com destaques os produtos feitos a partir de fibras recicladas, o Eco Dye marcado por tingimentos ecológicos, e bioelásticos como o Maratona 360º.

CEDRO

O mesmo mix apresentado para mercado brasileiro, porém em lavagens mais escuras, destacando os pesos mais leves. Esta foi a estratégia da apresentação dos produtos voltados para o Verão 202O da Cedro na Colombiatex. Abordando os negócios realizados na feira, Alessandra Leonel mencionou que muitos dos clientes da tecelagem são expositores locais: “nossos clientes também estão expondo, então é no após o evento que vamos mensurar nossas vendas”, conta. Destaque para os elastizados da família super elastic, com maior potencial de strech, como a linha DUO-T 400, com tecnologia LYCRA(R) XTRA-LIFE(TM). Também o Falcon que é um tecido mais pesado que proporciona uma variedade maior de lavagens.

COVOLAN

Calças de cintura alta, forros coloridos, tampões e rabiscos criaram a conexão entre os compradores e o consumidor final no estande da Covolan. A composição 96,5% algodão e 3,5% elastano predominou nas peças, através de looks desejo interpretados nos tecidos Hypercolor e Cetim Genius; com algumas aparições de mesclas com poliéster em tecidos texturados com cara de inverno em opções maquinetadas.  As certificações ambientais  ISO 14001, ISO 9001, STeP da OEKO TEX® entre outras; impressionaram os compradores do evento, agregando o valor percebido no mix.

HUDTELFA

Vestidos longos e frescos, saias com pegada latina e babados fizeram parte do mostruário de peças prontas, formuladas para transmitir o uso final dos tecidos leves da Hudtelfa, que trabalhou três tonalidades diferentes de denim. O peso super leve de 3 e 4 Oz, e as composições frescas variando do índigo 100% viscose às mesclas tencel, modal e liocel constituíram o diferencial.

SANTISTA

O que trouxemos com maior destaque foram os produtos com tingimento em corda, que permite uma variação maior dos tons, e um acabamento com mais brilho e intensidade. “É um processo que reutiliza 85% da água usada nos tingimentos, então dentro do nosso sistema produtivo, é altamente sustentável’, comenta Sueli Santos. A tecelagem também levou a feira a reedição de ícones que reinventam ícones que marcaram o jeanswear e resgata o início do processo do seu denim, como pré-comemoração aos 90 anos da marca.

TAVEX

Animal print, cores e índigos com visual e peso ideal para interpretações vintage, permearam os modelos usados para sugerir as aplicações dos tecidos da Tavex.

VICUNHA

Em um stand repleto de modelos vintage descarregado, esburacados e diferenciados por texturas de respingos e cores; a Vicunha montou seu stand integrando a lista de empresas selecionadas para constar na Rota da Sustentabilidade. Para o evento, a tecelagem apresentou toda a coleção do Brasil e vinda da fábrica do Equador. Entre os destaques constaram os produtos com fios de LUREX®, da linha Metallic Denim & Color. Também as misturas com Modal, ideais para vestidos e saias longas com jeitão tropical, que marcaram presença nos looks mais fashionistas dos frequentantes.  Francisco José Gonzalez, responsável pelo Marketing, ao ser questionado sobre os artigos que mais tiveram saída respondeu satisfeito: “tudo, compraram tudo que é tecnológico, tudo o que é Eco e T-400”. Entre os highlights, da linha de denim sustentável, destaque para o Absolut Eco, feito a partir de matéria prima reciclada sem tingimento, que economiza até 95% de água e até 90% de químicos na produção. Também o Eco Squash Color, com fio de poliéster derivado de garrafas PET na trama, e processo de coating sobre tecido natural.

Fonte: Vivian David | Fotos: Equipe Guia JeansWear