Produção têxtil apresenta alta em São Paulo

Em junho a produção física do setor têxtil paulista teve um crescimento de 0,3% e a de vestuário apresentou queda de 1,6% em relação ao mês anterior, segundo dados do IBGE. No comparativo com o mesmo período de 2012, o setor têxtil teve crescimento de 1,15% e o de vestuário apresentou queda de 20,5%. Já no acumulado de janeiro a junho deste ano, o resultado não não foi favorável: houve queda de 0,5% no segmento têxtil e de 14,2% no setor de vestuário, se comparado com o mesmo semestre de 2012.



Já o nível de emprego apresentou uma variação positiva de 1,3% do nível de emprego no setor têxtil e de 0,4% no segmento de vestuário paulista nos primeiros sete meses do ano (de janeiro a julho). Ainda em julho, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o nível de emprego do setor têxtil paulista em relação ao mês anterior, registrou leve queda de 0,2% entre contratações e demissões. Por outro lado, o segmento de confecção de vestuário apresentou aumento de 0,4%. Já na comparação dos últimos 12 meses, a retração de postos de trabalho ainda é elevada, com redução de 5% no segmento de vestuário e de 3,7% no têxtil.



Na Região de Americana, onde se concentra o maior número de empresas têxteis do Estado, o nível de emprego apresentou curva levemente negativa em julho, com queda de 0,39%. Já a indústria do vestuário manteve-se estável no período. No acumulado do ano (de janeiro a julho), a indústria têxtil apresentou alta de 0,70% na balança de empregos, enquanto que na de vestuário houve recuo de 9,09%. Considerando os últimos 12 meses, a retração no número de postos de trabalho salta para 7,47% na indústria têxtil e 19,35% na confecção.



O primeiro semestre do ano apresentou ainda um desempenho positivo de 2,32% no varejo paulista, referente ao volume de vendas, e de 5,89% em receita nominal, ambos em relação ao mesmo período do ano anterior. Já no comparativo de junho de 2013 com o mesmo mês em 2012, houve queda de 3,69% em volume de vendas e de 0,42% em receita nominal. No que se refere à balança comercial, nos primeiros sete meses do ano, as importações de têxteis e confeccionados cresceram 7,2%, em valor (US$). Já as exportações aumentaram 3,8%. Isto gerou crescimento do déficit na balança comercial que foi de 8,2% em relação ao mesmo período de 2012 (dados sem fibra de algodão).



De janeiro a julho de 2013, somente as importações de vestuário cresceram 8,9%, em valor, comparativamente com o mesmo período do ano passado. No Estado de São Paulo, essa variação foi de 4,6%, em toneladas, segundo dados da Alice/MDIC.

REDAÇÃO / FOTOS: REPRODUÇÃO