Sueli Pereira, da Santista, antecipa tendências de comportamento no jeanswear

A cada estação que passa, nós, consumidores de moda, aprendemos mais sobre o mundo e sobre todas as coisas. E como reação, reinventamos nosso próprio comportamento e modo de vestir. Isso acontece de maneira consciente ou não – mas o fato é que é um ciclo inevitável.

Com tantas mudanças no mundo, não é de se estranhar que nas próximas temporadas nosso senso coletivo busque “um novo começo”. Dessa busca, talvez possamos adotar comportamentos boêmios, anárquicos ou regenerativos. Essas mentalidades, segundo Sueli Pereira, gerente de comunicação e moda da renomada tecelagem Santista Têxtil, serão as características de comportamento, que irão guiar as tendências e refletir em nosso modo de vestir do futuro.

“O novo começo”, título da pesquisa apresentada por Sueli durante sua palestra “Tendências de Comportamento e Direções Jeanswear” apresentada nesta terça-feira na Denim City SP, durante a Semana de Lançamentos, é um ensaio para o futuro. O tema, de acordo com a gerente de moda da Santista, Implica em uma conexão maior com o outro, em novas narrativas, e anuncia a evolução da ideia do que é essencial para cada um de nós.

Esse contexto, irá se refletir em quatro macrotendências que vão influenciar nossas direções de estilo. Sombra e luz,  traz a fragilidade do ser humano. Natureza, que é o nosso bálsamo, e faz um chamado à saúde física e mental. Novas narrativas, busca reinventar histórias possíveis, pessoais e coletivas. Era da dispersão, reflete a grande capacidade de distribuir serviços e produtos em qualquer lugar, a qual foi acelerada pela pandemia.

Terra, de acordo com Sueli Pereira, é a principal direção para o mercado, pelo seu poder regenerativo e sua estética exuberante. Citando o documentário Kiss the Ground (Solo Fértil) como inspiração, a macrotendência traz a consciência de que a terra só precisa da diversidade para se recuperar, e sugere que a mesma mentalidade seja levada para a moda.

Natureza Distópica transforma as catástrofes ambientais, e as imagens geradas pela destruição do planeta, em força criativa e fonte de inspiração. Como referência, Sueli citou o fotógrafo Jeremie Lenoir, que transforma fotografias de catástrofes por meio do design gráfico. A arte é metáfora para os estados do mundo, e impacta as pessoas de uma forma mais sensível do que os dados. E tudo isso irá impactar a estética em cores, estampas, e formas.

Era da dispersão desconecta as relações de proximidade com o elemento espacial. O mundo digital retira cada vez mais os sentidos, logo a moda precisa enfatizá-los e potencializá-los ao máximo para atrair atenção.

Essa macrotendência, prevê que o varejo online será percebido como uma escolha cada vez mais confiável, forçando a transformação das ofertas do varejo físico, por meio de significados e storytelling cada vez mais atrativos. Os games se tornam plataformas cada vez mais relevantes para as marcas.

O mundo virtual assegura o direito de “ser esquisito sem comprometimento” o que deverá impulsionar a aceitação de algumas esquisitices, como a roupa virtual, que está cada vez mais próxima de ser transformada em comodity pela geração Z.

A soma de todas essas macrotendências, de acordo com Sueli, trará a tona três temas referenciais para as próximas estações.

Território do Amanhã

O tema traz o grunge e o look esportivo dentro de um sentimento anárquico. O futuro é negro e assustador, mas ao mesmo tempo é uma super inspiração. Tecidos rústicos e brutos criam uma estética imprecisa, que transita entre o futuro e o passado. O toque é extremamente importante e a roupa é vista como uma proteção. Silhuetas são amplas e ao mesmo tempo esculturais.

Nesse mix, além do aspecto rústico, o black é também extremamente relevante. Os tons são neutros, calmantes, e dialogam com tons ácidos. Como referência, temos o filme da “Cruela” e a marca Scarvengers. O jeans tem gancho caído, low rise e fit anos 90; e é trabalhado em recortes contrastantes. Os aviamentos são excessivos e o visual é cheio de aplicações.

Novos Boêmios

Tanto tempo de restrição pede por um deleite e pelo resgate da magia do vestir. Por isso, esse tema propõe equilíbrio entre glamour e conforto, e sugere tecidos com alta tecnologia e muito stretch para marcar bem o corpo, como o artigo Sticker Power, da Santista, que tem o diferencial de criar um “efeito adesivado” na pele.

Novos Boêmios traz ainda, a teatralidade de vestir-se lindamente para tarefas corriqueiras do dia-a-dia. A gama de cores é eclética, vintage, com acento de cores. A cor está muito mais no acessório do que na produção. Neste tema, temos o retrô moderno na forma de cortes super elegantes, calças com vincos, e tecidos com textura. Nos detalhes, temos muitos brilhos, pérolas e tachas.

Pós Urbano 

Pós Urbano é o tema do consumidor regenerativo. Nele a vida humana é vista como ameaçada pela falta de cuidados com o planeta. Como resposta, esse mix vai trazer uma estética zen, valorizando o bem estar, em um formato urbano e minimalista. Aqui temos o resgate de hábitos ligados ao artesanato e a evolução dos produtos conscientes.

A gama de cores fala de terra e de todos os elementos naturais, com a nuance callica, que é o branco cru, e tons trans sazonais. A lavanderia lembra formas da água, inspirada na natureza distópica e no caos. As formas são flexíveis, e remete ao visual explorador. Também entra nesse mix o design atemporal, pesado, que menciona diversos ícones do jeanswear.

Após a apresentação dos três temas globais que vão direcionar as coleções de jeans do mundo, Sueli apresentou as mesmas influências em um formato mais acessível para o varejo brasileiro. São elas: Exuberante, onde beleza é o mantra direcional que guia as coleções; Esportivo, onde beleza é controle; e Casual, cujo perfil de consumo que guia suas escolhas tem como principal mote o conforto.

Encerrando com chave de ouro, Sueli apresentou uma seleção dos dez principais shapes para o jeans feminino e quatro para o masculino alertando para o crescimento das buscas pelos fits pantalona e mom no mercado brasileiro. Paralelo a isso, a mesma pesquisa sinaliza a alta da skinny no mundo inteiro, legitimando a permanência das composições algodão e elastano no mercado simultaneamente.

Confira a palestra na íntegra:

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução