Tecnoblu é adquirida pela multinacional canadense CCL Industries

Líder em rótulos e etiquetas, a Tecnoblu foi adquirida pela canadense CCL Industries. A transação foi anunciada pela multinacional no último dia 30 de dezembro, por cerca de 19,1 milhões dólares (aproximadamente R$ 85 milhões).

A negociação foi selada pela Checkpoint Brasil, braço de segurança e tecnologia da multinacional canadense. Vale destacar que, mesmo diante da aquisição, a empresa de Blumenau teve sua equipe e marca preservadas, destacando a crença no Brasil e no futuro do mercado da moda nacional.

Os atuais diretores Daniel Soppa e Sergio Pires passam a atuar ao lado de Luis Jocionis, vice presidente da CCL América do Sul, Tecnoblu & Checkpoint. A integração com o mercado será comandada por Edmur Poli, que passa a assumir o cargo de diretor da CCL Brasil.

Já o fundador da empresa catarinense, Cristiano Buerger, atua como consultor estratégico da Tecnoblu & Checkpoint.

“A Tecnoblu é como um filho para mim. E, sinceramente, acho que cada filho têm o direito e o momento certo para voar mais alto e seguir o seu próprio caminho”, comentou Cristiano Buerger. “É o início de um novo e lindo ciclo“.

Fundada em 1994, a Tecnoblu produz cerca de 400 milhões de peças ao ano, entre etiquetas, tags e acessórios. A empresa possui escritórios de pesquisa de mercado e design em Xangai, na China, e Portugal, além de um showroom na cidade de Guimarães, intitulado a Casa Europa. Em solo nacional, conta com uma fábrica em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, e também um showrooom em São Paulo.

Segundo a CCL, as vendas da Tecnoblu foram estimadas em 17,6 milhões de dólares no último ano. De acordo com o Ebitda, indicador financeiro utilizado para para medir os resultados de uma empresa, apontou a estimativa de 3,1 milhões de dólares.

O objetivo da aquisição da Tecnoblu e a instalação da Checkpoint em Blumenau, segundo nota, é “tornar a empresa líder do mercado de ID para a moda na América do Sul, reunindo as melhores soluções de cada empresa, para levar aos clientes um processo cada vez mais digitalizado, eficiente, inovador e sustentável, com a humanização nas relações”.

Fonte: Thaina Barros | Foto: Reprodução