Ações criativas para alavancar as vendas na moda infantil durante e pós-crise

A Feira Ópera promoveu, nesta semana, uma live sob o comando de sua diretora comercial, Fernanda Menezes, tendo como convidado Xavier Neto, o diretor comercial do Fashionroom e mentor no perfil do Instagram “A loja que surpreende”. A transmissão teve como tema Crianças continuam crescendo na quarentena, por que seu negócio tem que parar?”.

mercado infantil é um segmento à parte do adulto, que não sofre tantos altos e baixos, e mesmo na crise pode se ajustar para manter suas vendas. Porém, com essa parada repentina devido ao novo coronavírus, muitas pessoas ficaram perdidas, sem rumo e com o psicológico afetado, no sentido de proteger a família, sua casa e também seus negócios.

“A primeira coisa a ser feita é segurar você, sua saúde mental, seu equilíbrio emocional e aceitar que muita coisa não vai ser como programado. Em seguida criar metas para que não se atropele nesse emocional”, comentou Xavier Neto, que ainda afirmou que é preciso redimensionar o seu negócio a médio prazo.

A ideia é que com mais de dois meses de quarentena, o profissional já tenha analisado, de forma realista e com o pé no chão, como a crise afetou o seu segmento. “Pelas minhas pesquisas, alguns lojistas que já tinham vendas no online e já eram fortes nas redes, estão com 30 a 40% das vendas porque as clientes acabaram migrando […] Porém, quem não tinha nada, que fazia somente o processo de delivery ou consignado, estão com 10 a 15%”, completou.

Segundo o diretor comercial, esses números são muito importantes para reajustar o seu custo fixo, sentar com a equipe, discutir quais gastos podem ser reduzidos como aluguel. Xavier Neto acredita que a pandemia não vai passar tão cedo e, por isso, precisamos aprender que é assim que vamos viver e, quem se adaptar primeiro, sairá na frente, claro que com pequenos arranhões, mas seguindo em frente.

“Se a gente não se reprograma, não consegue sair dessa […] É o que chamamos de resolução de crise, resolve agora e projeta para frente porque se não fizer isso, não terá margem para conseguir se reestabelecer”, comenta Xavier.

Pensando em formas criativas para superar a crise e alavancar as vendas, Xavier sugere realizar colaborações, juntar forças, ressignificar a mente. Seguem algumas sugestões:

• Dividir o espaço de sua loja juntamente com outro mix de produtos, por exemplo, ou outros segmentos como decoração, alimentação;

• Rever o seu estoque. Reaproveitar as peças de inverno e investir numa compra mais consciente do Verão, o que pode ser acrescentado ou retirado dentro do meu mix de produtos? O que eu tenho na loja funciona para esse novo momento?;

• Fazer uma “dança das cadeiras” com seus fornecedores, trocando itens e focando naquilo que acha que vai vender mais, como apontado por Xavier Neto. A ideia é maximizar o estoque com o dinheiro que já tem. Por exemplo, se vende do bebê até o teen, talvez nesse momento o bebê possa ter maior giro, então negociar essa troca para aumentar o mix para essa faixa etária;

• Pode funcionar ainda a troca de peças de Inverno por itens do Verão passado;

• Reanalisar o estoque, ver tudo o que pode ser renovado e agregar outras coisas. Como outros segmentos, testar outras coisas, estar com a cabeça aberta para novidades;

• Ação social: uma forma de ajudar ao próximo, movimentar as redes sociais e vender seu produto. Uma ideia seria a divulgação de uma campanha na qual a cada peça usada doada o cliente ganha um desconto X por peça;

• Infantil é item de primeira necessidade, as crianças crescem muito rápido, bebês continuam nascendo e o setor de enxoval e roupas infantis podem mudar somente sua forma de comercializar.

Xavier Neto e Fernanda Menezes durante transmissão no Instagram

E-commerce e delivery

A questão do e-commerce agora é crucial também para ter sucesso nos negócios, não tem como adiar mais. Quem não trabalha com essa ferramenta, precisa investir nesse canal, assim como nas vendas através do Instagram ou WhatsApp. Este é o verdadeiro Omnichannel.

É hora também de profissionalizar o seu delivery — até existem sites que fazem isso — e rever o mailing de sua loja. Neste momento, há clientes que compravam muito, mas que estão passando por dificuldades. Outros menos, mas que podem se interessar em adquirir algo durante a pandemia. É preciso saber como abordar seu consumidor.

“Talvez não venda dez peças para uma só pessoa, mas pode vender uma peça para dez pessoas e bater a meta do mesmo jeito. Crescer o delivery agora pode suprir o e-commerce que ainda não está pronto”, afirma Xavier Neto.

Quando falamos de malinhas entregues em casa, outra ideia interessante é acrescentar um “mimo” na sacola, como bombons, balas, uma bexiga ou algum brinquedo que faça barulho e chame a atenção da criança. “Cada vez mais os filhos têm interferência na compra. Então, por que não atrair a atenção?”, questionou o diretor comercial.

Mini festas em casa

Muitas crianças estão fazendo aniversário durante a quarentena e comemorando de diferentes maneiras com parabéns virtual, na sacada do prédio, somente com os pais. Mas, o que não pode faltar é uma decoração simples, salgados, docinhos e o bolo, é claro. Nestas ocasiões, vale juntar forças com os buffets infantis e até empresas que alugam brinquedos e trocar os mailings oferecendo pacotes ou serviços para essas ocasiões, anunciando nas mídias de cada empresa.

São collabs que começam agora e podem se estender por muito tempo. Dentro desse contexto entram ainda os vestidos de festas que nesse momento, podem ser alugados somente para aquele dia. Que mãe ou pai não quer um lindo registro do aniversário do filhote? “Levar alegria para as famílias nesse momento não tem preço”, comenta Fernanda Menezes.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Reprodução