Gilberto Oliveira destaca valor da customização fiel ao vintage natural

No jeanswear, existem processos que conferem novos aspectos ao tecido, influenciam as tendências; e depois, decaem. Outros, no entanto; quando descobertos nunca mais saem do mercado: são atemporais. Foi para salientar a importância deste segundo mix de efeitos; que o Engº. Gilberto Oliveira, consultor de customização de jeans da Silmaq; apresentou a palestra “Morfologia e técnicas futuristas.”



Gilberto, que é consultor de jeans desde 1989, e tem na bagagem nomes como Staroup e Soft Machine; iniciou sua apresentação desenhando uma trajetória evolutiva dos processos de customização. Autor do livro “Jeans, a Alquimia da Moda”; lembrou que no início o jeans era apenas amaciado, até o momento que entrou no mercado o acabamento delavé. “E na sequência, a 1º Revolução Industrial na lavanderia de jeans: o stonewash”, completou. Um processo que se deparou com máquinas impróprias para sua produção. Porém ganhou fama, e por volta de 1981; forçou as lavanderias a reprojetar seus equipamentos. “Na sequência surgiu o stonecolor, equivalente ao processo da pedra acrescido do corante,” o qual transformou a lavagem do jeans em tinturaria de PT”. E depois de toda essa trajetória, o mercado passou a pesquisar o aspecto da roupa usada; pois tratavam-se de efeitos que interessavam às lavanderias.



E foi a partir destas pesquisas, de acordo com Gilberto, que surgiram os efeitos fast-pin, o stone wash (envelhecimento), scrunch (quebraduras), bigodes, langues, puídos e used – os quais ofereceram um produto totalmente diferenciado. “Jeans é uma moda cíclica”, define Gilberto. “Entre as temporadas aparecem efeitos desejo, que com o passar das coleções são esquecidos; porém os efeitos originais, uma vez descobertos, nunca saem de moda. Todo o vintage fiel desenvolvido, entra no mercado e não sai mais”



Gilberto citou Woodstock como o primeiro centro de desenvolvimento de customização de jeans, que levou a indústria a viajar nas criações e possibilidades. Ao chegar nos tempos atuais, o consultor mencionou o tingimento a seco e o quanto a lavanderia se transformou agrupando setores diversos como efeitos especiais, estamparia, bordados, etc. Lembrou também o quanto a idéia de que processos de lavanderia não reprodutíveis tornou-se obsoleta: “houve um momento que disseram que uma peça de lavanderia nunca seria igual a outra. Hoje é necessário desenvolver o único e reprodutível”.



O final da palestra foi pontuado pela importante contribuição de Gilberto, que compartilhou os lançamentos da Silmaq direcionados justamente para a estratégia de acabamento que persegue tais efeitos – os vintages que reproduzem o natural. Entre as colocações, o Green System foi apontado com maior destaque. O processo, agrupa as funções de encolhimento, intensificação da cor, solidez e brilho: com redução de 98% na demanda de água. Somado à todos estes fatores, o acabamento ainda confere o perfume da moda: o que de acordo com Gilberto, é uma característica de valor imaterial bem mais elevada, do que o mero cheiro de roupa nova, que todos conhecemos.

VIVIAN DAVID | FOTO: OSIRIS LAMBERT