Inspiramais 2021_I traz o tema ‘Sincronia’ com mote na sustentabilidade

Durante os dias 14 e 15 de janeiro, o Inspiramais 2021_I, o único salão de Inovação e Design de Materiais, foi realizado em São Paulo. Ao todo, mil produtos exibidos de 180 empresas que oferecem soluções em solados, acessórios, tecidos, laminados, couros, entre outros, para todo o setor de moda, acessórios e mobiliário.

“A velocidade da informação e a sua descentralização e as evoluções da ciência e da tecnologia produzem vários pontos de vista que se conectam em um mundo à flor da pele, no qual verdades, mentiras, o que é o belo e o que queremos esconder se conectam e vem à tona. Nunca vimos tantas referências à disposição das pessoas e estamos no meio de um processo de efervescência e na constante revisão de conceitos sobre a noção de humanidade. Uma efervescência criativa”, explica Walter Rodrigues.

O evento, que está completando 10 anos, trouxe o tema “Sincronia“, com foco na sustentabilidade e discutiu a conectividade entre os vários aspectos da moda. Uma interpretação e reinterpretação de conceitos, que contém o antigo e o novo, uma reflexão de quem somos e as camadas que nos constroem. Entre as referências utilizadas, o pensamento renascentista.

“Hoje falamos com toda a indústria nacional, responsável pela produção dos mais diversos itens”, comenta Ilse Guimarães, superintendente da Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), uma das entidades responsáveis pela realização do Inspiramais.

Estamos estabelecendo um padrão de produtos mundialmente consumidos, dentro de tendências internacionais e inserindo uma cartela de cores ‘Made in Brazil’, com referências de nossas culturas e elementos regionais, tudo seguindo um conceito de consumo que também fala com o mundo. Assim, levamos o Brasil para um patamar de excelência”, completou.

A próxima edição do Inspiramais 2021_II tem como tema “Free Spirit”, e acontece entre os dias 7 e 8 de julho, no Centro de Eventos Pro Magno.

Tendências

Entre as principais apostas apresentadas pelos expositores, vimos materiais metalizados em tons vivos e cores intensas no laranja, amarelo, verde, rosa e azul, além da continuação das tonalidades suaves. O Classic Blue, cor do ano da Pantone®, também foi inserida nas coleções em diferentes segmentos.

Para o mercado jeanswear, o aspecto clean vem permeado por franjas e strass menores e também aviamentos metalizados e pedrarias mais discretas. Essas são as apostas de empresas como a Gil Strass, BM Strass e a Stamptron que trabalha com hotfix.

As pérolas ainda fazem sucesso, mas foram menos vistas assim como os flúors. A Swarovski está lançando uma linha de pérolas sintéticas em diferentes cores, além de rebites, botões e termocolantes em formatos e tamanhos variados. Destaque para cores românticas no turquesa, rosê, vinho e laranja.

Hi Etiquetas traz como novidade um modelo em formato de bolso que pode vir com verso em entretela e costuras ao redor ou colocado com termocolante. Já a YKK inova com zíperes estampados e, que podem vir com o logo valorizando e colocando a marca em evidência. A empresa está lançando ainda um modelo de zíper com stretch, 30% mais flexível, desenvolvido para aplicações em jeans com alto power e modelos mais justos como as skinnies. O produto está disponível em seis acabamentos diferentes.

A YKK trabalha também com uma linha sustentável, com acabamentos naturais, livres de metais pesados, níquel free, com redução no consumo de água e de produtos químicos. A coleção de Inverno traz como destaque banhos oxidados e botões vazados ou com cores diferentes numa mesma peça.

Altero aposta em maxi fivelas e tons de rosa, verde neon, laranja, o azul, preto e cinza. Já a CMK que trabalha com etiquetas, tags, plaquinhas e botões oferece cores e modelos para diferentes estilos.

Primu’s oferece tecidos em 100% algodão com aspecto denim que ganham respingos, estampas diferenciadas, fibras mais rústicas, estonados e tons mais claros, ideais para bolsas, calçados, entre outros segmentos. A ITM lançou no salão a linha Ecofio+, família de tecidos de algodão reciclado, com corantes naturais, além de malhas caneladas ou com texturas diferenciadas.

Sustentabilidade

A Rodhia, que faz parte do Grupo Solvay, apresentou no evento um protótipo de calçado em um projeto colaborativo utilizando o novo fio Amni Soul Cycle, a única poliamida têxtil biodegradável reciclada do mundo, proveniente de resíduo têxtil industrial (pré-consumo), regenerada e transformada novamente em fio têxtil. O desenvolvimento do produto tem o objetivo de incrementar e promover a economia circular no setor têxtil/calçadista.

O protótipo do calçado foi desenvolvido com design do estúdio Top Shoes Brasil, que utilizou o fio Amni® Soul Cycle da Rhodia, aplicado à técnica Knit, processo novo de tecelagem 3D, que faz parte da indústria 4.0. Esta técnica reduz processos, permitindo que entre o fio e saia o cabedal pronto, resultando em redução de tempo e o uso de outros recursos.

Outra matéria-prima da Rhodia importante para a produção de poliuretano destinado ao setor de solados e entressolas de calçados foi utilizada no protótipo. Trata-se do ácido adípico, cujo processo produtivo é comprometido com a sustentabilidade e pioneiro no abatimento de emissões de gases de efeito estufa e se tornou uma referência mundial no setor.

“Esse projeto significa mais um avanço da empresa e de seus parceiros no sentido da economia circular no setor calçadista, valorizando o uso de materiais sustentáveis e reciclados em todas as suas etapas de desenvolvimento do calçado, sem a geração de resíduos industriais”, diz Mayra Montel, da área de Poliamidas e Fibras da Rhodia.

O calçado também contou com a participação das empresas Adatex (tecnologia sustentável em borracha revestida e tingimento dos fios de poliamida), Tecpol (matriz e injeção do solado e entressola), Basf (poliuretano da entressola), FCC (TPU do solado), Linhasita (linha de costura e cordão para amarrar com Amni Soul Eco®), Stickfran (Gorgurão), LabelTag (etiquetas) e Ambiente Verde (materiais sustentáveis para os PDVs – pontos de vendas.

Segundo Mayra Montel, o projeto colaborativo incorporou outras novidades. “Desenvolvemos um protótipo de calçado sem gênero e que pode ser ‘customizado’ pelo usuário. Também adotamos um conceito 360º, que vai desde a ideia inicial do calçado até a instalação de displays para pontos de venda quando esse produto alcançar a fase”, afirmou.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Equipe Guia JeansWear