Novo comitê ANEL anuncia as medidas que vão favorecer lavanderias

Com todas as mudanças tecnológicas atuais, lavar um jeans seguindo antigas técnicas de acabamento; hoje é sinônimo de custo excessivo. Em contrapartida, a adesão aos processos sustentáveis; tornou-se significado de agilidade e rentabilidade. Este é o contexto, a exigência e a situação atual do mercado de lavanderias. No entanto ainda hoje existe pouca uniformidade nos processos: existem preços, práticas, e custos diferentes para a obtenção de um mesmo visual – e até para um mesmo tipo de acabamento. E foi abordando toda esta problemática, e compartilhando ações e intenções; que o novo comitê ANEL com a função de levar soluções para as lavanderias brasileiras foi apresentado durante a 2º edição do evento Denim Meeting.



Junto ao presidente da ANEL Othon Barcelos, e ao diretor Marco Britto (também diretor da GB Customização); Iolanda Wutzl, CEO GuiaJeanswear; Juliana Medina, da Blueskin Magazine; e Plauto Cesario, consultor de lavanderia; colocaram para os ouvintes as metas e intenções que vão nortear todo o trabalho do comitê.



O vice-presidente da ANEL Marco Britto, lembrou que o Brasil não possui um sindicato laboral de Lavanderia. E uma das medidas que vão ser tomadas, afirma, é o selo para regulamentar lavanderias que a ANEL vai desenvolver. A nova certificação, de acordo com Marco, será uma das ações do comitê.



Plauto Cesario, por sua vez, levantou a questão dos diferentes valores praticados no mercado; e anunciou que será elaborada uma tabela reguladora de preços para os associados – com a função de servir como um importante referencial para as lavanderias. Além disso, Plauto anunciou que serão realizadas consultorias para dar suporte a nível de tratamento de água e desenvolvimento.



Iolanda Wutzl, lembrou o papel fortíssimo das lavanderias no segmento jeanswear; “somos dependentes dela” comenta. ”Tecnologias evoluíram muito, e poucas acompanharam. Queremos ajudar as lavanderias a se profissionalizarem”, complementa. Iolanda convidou estilistas e confeccionistas a se associarem à ANEL. Lembrou o quanto as pequenas lavanderias vem quebrando nos últimos anos, e destacou a necessidade de que as pequenas confecções invistam neste setor.



Juliana Medina, sublinhou o quanto é importante a ação da revista, que atua agrupando tudo o que é pertinente para as lavanderias denim. Química, tendências, estilo – todas informações que movem as lavanderias em um só lugar.



Por fim; Othon Barcelos, fez um chamado ao público: associem-se. De acordo com ele ,“ o que falta hoje para as lavanderias de jeans é o espírito de associatividade.” Em complemento, Othon conclui: “em qualquer área o espírito de associação é a alma do progresso, da prosperidade. E encerra reforçando: “associem-se”.

VIVIAN DAVID | FOTOS: Osíris Lambert